Páginas

sábado, 30 de dezembro de 2017

LIDE Rio Preto registra aumento demais de 400% em empresas filiadas

Grupo se consolidou em 2017 com grandes eventos e a presença de renomados nomes do empreendedorismo nacional
O LIDE Rio Preto, Grupo de Líderes Empresariais de São José do Rio Preto, registrou um aumento de cerca de 450% no número de filiados durante 2017. Em 12 meses, o Grupo foi de 19 para 93 empresas filiadas. Atualmente, são 190 empresários do noroeste paulista que, juntos, faturam mais de R$17bi por ano.

O principal fator desse crescimento são as possibilidades de novos negócios e conhecimentos adquiridos durante os mais de 30 encontros que o grupo promoveu durante esse ano. Foram 11 pelo LIDE Rio Preto e 22 eventos pelo LIDE Futuro Rio Preto – a vertente jovem do Grupo, que também surgiu em 2017 e já reúne 105 jovens empresários de até 40 anos de idade, sob a presidência de Rafael Chiqueto.

"Reunimos periodicamente empresários de toda região, dos mais diferentes ramos – alimentação, serviços, educação, entre outros – em mentorias e palestras. São oportunidades únicas de aprender com as experiências de grandes empresários e receber dicas de empreendedorismo e inovação", afirma Marcos Scaldelai, presidente do LIDE Rio Preto. "Além disso, o networking gerado nessas ocasiões é muito eficiente. As parcerias acontecem de maneira muito rápida e os resultados logo são percebidos pelos empresários".

Entre os nomes que passaram por aqui estavam: o fundador da JR Diesel, Geraldo Rufino; o fundador do Partido NOVO, João Dionísio Amoedo; o jurista Luiz Flávio Gomes; o fundador da Sevna Startups, João Paulo Geroldo; o CEO da TOTVS Laércio Cosentino; o prefeito de São Paulo João Doria; o diretor executivo do Grupo Doria, João Doria Neto; a empresária Luiza Helena Trajano, que comanda a rede de varejo Magazine Luiza; a ex-atleta e ícone do basquete Hortência Marcari, entre outros.

"Durante 2017, esses eventos também movimentaram a economia de nossa região; algo em torno de R$500 mil", afirma o presidente.

Outra grande oportunidade gerada pelo LIDE Rio Preto foi a aproximação entre prefeitos de importantes cidades da região e empresários locais, por meio do "Café da Manhã com o LIDE".

Foram dois encontros realizados. Um em Fernandópolis, com o prefeito André Pessuto., e outro em Votuporanga, com o prefeito João Dado, com o objetivo de estimular e fortalecer a relação entre os setores público e privado, movimentando ainda mais a economia regional. Os próximos encontros já estão programados para 2018, em Rio Preto e Catanduva.

Responsabilidade social e empreendedorismo juntos
Outra grande realização em 2017 foi o projeto "Adote um Estudante", uma iniciativa do LIDE Futuro Rio Preto que selecionou nove jovens de São José do Rio Preto em situação de vulnerabilidade social para iniciarem os estudos no Ensino Superior, a partir do ano que vem.

Os cursos, que são todos voltados para as áreas de administração e empreendedorismo, serão custeados por empresários filiados ao Grupo de Líderes Empresariais.

Todos os jovens foram selecionados em escolas municipais e estaduais através de critérios como frequência, desempenho escolar e situação econômica da família, com a coordenação da empreendedora social Amanda Oliveira, integrante do Comitê Gestor do LIDE Futuro Rio Preto, e sob a orientação do juiz da Infância e Juventude de São José do Rio Preto, Evandro Pelarin.

O que vem por aí...
E antes mesmo de chegar em 2018, o LIDE Rio Preto já anuncia novidades. Um aplicativo, em fase de finalização, será utilizado entre os filiados com a finalidade de aumentar a interatividade. "É a tecnologia a favor de nossa comunicação e parcerias", afirma Scaldelai.

Além disso, no dia 23 de janeiro o LIDE Rio Preto recebe em um jantar-debate com o Ministro da Indústria e Comércio do Paraguai, Gustavo Leite. Com o tema "As Vantagens do Paraguai", o ministro vai abordar o cenário econômico do país e as possibilidades de comércio e investimentos por lá.

Surdos unilaterais poderão participar de concurso público como deficientes

 
Na noite desta quarta-feira, 27 de dezembro, a Assembleia Legislativa do Estado de São Paulo aprovou o projeto de lei nº 1055, de 2015, de autoria do deputado André Soares (DEM), foto,  que garante ao indivíduo com audição unilateral o direito de participar de processo seletivo, público ou privado, na vaga reservada aos candidatos com deficiência.

A medida busca eliminar os problemas encontrados pelo surdo unilateral na busca por emprego. "Esses indivíduos encontram uma enorme restrição no mercado de trabalho. Nos concursos públicos, por exemplo, não são considerados pessoas com deficiência, o que é um erro, pois apresentam limitações que dificultam o desempenho de qualquer atividade", afirma Soares.

São vários os desafios do cidadão com audição unilateral. O servidor público Jesiel Henrique Sueiro, 24, diz que a grande maioria dos sons da vida cotidiana não é perceptível. "Temos dificuldade de identificar a fonte sonora, o que causa um processamento auditivo mais lento. Além dos problemas de interação social que isso gera, convivo com um chiado ininterrupto, que se agrava em ambientes ruidosos, gerando desorientação espacial", esclarece Sueiro.

O projeto, que seguirá para a sanção do Governador Geraldo Alckmin, adequará a legislação estadual às diretrizes da Lei Brasileira de Inclusão da Pessoa com Deficiência. Além disso, a proposta equipara o surdo unilateral ao portador de visão monocular, que já tem o direito de concorrer às vagas como deficiente.

Condução coercitiva: do STF sai muita confusão jurídica

Luiz Flávio Gomes, jurista. Criador do movimento Quero Um Brasil Ético. Estou no F/luizflaviogomesoficial



Um ministro do STF concedeu duas liminares no sentido de proibir a condução coercitiva de pessoas que entram na mira da Lava Jato. Meras liminares (que exprimem nada mais que a opinião de um único juiz).

O diretor-geral da Polícia Federal já aproveitou o embalo pró-impunidade reinante na nossa cleptocracia para dizer que vai seguir essas liminares, até que o Plenário da Corte resolva o assunto. Não há data para isso.

Nenhuma liminar dos ministros do STF tem efeito vinculante, ou seja, não se torna obrigatória no país. Se a Polícia não cumprir a ordem do juiz de primeiro grau, poderá ser penalmente responsabilizada. Se nada for feito contra o renitente, a Justiça se desmoraliza. A confusão jurídica está plantada.

Na Lava Jato já foram determinadas 225 conduções coercitivas. A lei sobre o assunto (Código de Processo Penal, art. 260) é clara: ela só pode ser deferida depois que a pessoa é intimada e não comparece em juízo.

Na operação Lava Jato não se promove a intimação precedente. A condução coercitiva, com isso, é decretada de forma direta. Isso é que está sendo questionado.

O STF foi imaginado para gerar estabilidade jurídica. Hoje se transformou, no entanto, em virtude das confusas e frequentemente partidarizadas decisões monocráticas dos seus ministros, em fonte de intermináveis polêmicas.

Cada vez mais nossa Corte se iguala às congêneres latino-americanas e, sobretudo, bolivarianas.

Cada ministro (isoladamente) se transformou num "mini" Supremo. Em lugar de um, temos onze Supremos. Um batendo cabeça com o outro. Sua credibilidade está em xeque.

Há três anos o tema da condução coercitiva é objeto de grande controvérsia, que pegou fogo no dia em que um ex-presidente acabou sendo levado coercitivamente para prestar esclarecimentos sobre vários supostos delitos.

Claro que o STF já deveria ter discutido isso no Plenário. Há tempos duas ações diretas foram propostas, uma do PT e outra da OAB.

O STF vai enrolando as controvérsias até onde consegue. A restrição ao foro privilegiado já estava praticamente decidida, quando houve um suspeito pedido de vista. Lógica da "embromação" (que favorece a corrupção sistêmica vigente).

Sobre a condução coercitiva o legislador também já podia ter definido o tema. Persiste, no entanto, sua omissão. Daí a interferência do Judiciário. Esse ativismo judicial quando solicitado pelas partes não deslegitima a atuação da Corte. De qualquer modo, uma simples mudança na lei resolveria tudo.

A proibição da condução coercitiva não impedirá a polícia de investigar os delitos. Mas um efeito colateral poderá ser produzido: a decretação de mais prisões temporárias. Até aqui, já foram 111 na Lava Jato. Esse número tende a aumentar significativamente se o STF pôr fim à condução coercitiva direta.

Deputado quer o fim da taxa de exame toxicológico para motoristas profissionais desempregados

 
A Comissão de Transportes e Comunicações da Assembleia Legislativa do Estado de São Paulo aprovou, recentemente, a Moção de número 77/17, de autoria do deputado estadual Junior Aprillanti, vice-líder do PSB, que tem como objetivo apelar ao presidente da República para que faça a extinção da taxa de exames toxicológicos para motoristas profissionais desempregados.

Segundo o autor da proposta, deputado Junior Aprillanti, essa medida tem como objetivo facilitar a vida dos profissionais que precisam de uma carteira de habitação para trabalhar e, desta forma, garantir o sustento de suas famílias.

"Muitos motoristas precisam da carteira de habilitação profissional para garantir uma vaga de emprego. Imagine a situação de quem está desempregado, sem dinheiro para pagar a taxa referente ao exame toxicológico, que custa aproximadamente R$ 300,00 (trezentos reais), e precisa deste documento para o exercício de sua profissão. Diante deste quadro, apresentei uma Moção endereçada ao presidente da República com o objetivo de que a exigência deste emolumento seja revista", afirmou o deputado Junior Aprillanti.

Junior Aprillanti fez questão de ressaltar que é favorável a obrigatoriedade da realização de exame toxicológico nos motoristas, mas que a cobrança desta taxa está prejudicando muitas famílias dos profissionais que sobrevivem dá área de transporte.

"Atualmente, precisamos facilitar a geração de empregos. Desta forma, acredito que a extinção desta taxa poderá contribuir para que os motoristas profissionais enfrentem menos resistência no mercado de trabalho", finalizou Junior Aprillanti.

Agora, o documento aprovado pela Assembleia Legislativa será enviado para apreciação do presidente da República.

Após pleito da SBP, ANS incorporará profilaxia com palivizumabe para prevenção do VSR

A partir de janeiro de 2018 a profilaxia com palivizumabe será incorporada na Terminologia Unificada da Saúde Suplementar (TUSS), tabela que reúne os procedimentos e eventos custeados pelas operadoras de planos de saúde no Brasil. A inclusão da terapia imunoprofilática com palivizumabe para a prevenção do Vírus Sincicial Respiratório (VSR) atende ao pleito da Sociedade Brasileira de Pediatria (SBP), que, por intermédio da Associação Médica Brasileira (AMB), avançou com a proposta junto à Agência Nacional de Saúde Suplementar (ANS).

"Até então, a inclusão não constava na tabela TUSS, que rege o pagamento dos convênios, por ser um produto caro. Estávamos enfrentando dificuldades de ressarcimento nas maternidades privadas, quando utilizávamos o procedimento, apesar de a palivizumabe já estar disponível no Sistema Único de Saúde desde 2013 (Portaria nº 522). Para as crianças da rede suplementar de saúde receber o produto era uma dificuldade enorme", explica o dr. Renato Kfouri, presidente do Departamento Científico de Imunizações da SBP.

Para o dr. Kfouri, a incorporação na cobertura dos planos de saúde "é uma conquista e um avanço para a saúde das crianças brasileiras que utilizam a saúde suplementar". A lista de procedimentos cobertos pelas operadoras de planos de saúde é revista pela ANS a cada dois anos. Nesse intervalo, a Agência recebe a indicação de várias categorias para o tratamento das mais diversas doenças ou para expansão de uso de uma terapia para determinada doença.

O Virus – A palivizumabe é um anticorpo monoclonal indicado para a prevenção de formas graves das infecções causadas pelo VSR, responsável por um grande número de atendimentos, visitas a serviços de emergência e hospitalizações. A maioria das crianças é infectada pelo VSR no primeiro ano de vida e, virtualmente, todas as crianças serão expostas ao vírus até o final do segundo ano de idade, com reinfecções durante toda a vida.

Embora de ocorrência universal, esse tipo de vírus ganha maior importância quando acometem prematuros, portadores de cardiopatias congênitas e de doença pulmonar crônica da prematuridade, grupos considerados mais vulneráveis.

Defesa – As negociações pela incorporação desse medicamento na Tabela TUSS foram conduzidas pelos Departamentos Científicos de Imunizações e Infectologia da SBP. Segundo o dr. Kfouri, em julho deste ano, ele e o presidente do DC de Infectologia, dr. Marco Aurélio Sáfadi, defenderam pessoalmente a incorporação da profilaxia do palivizumabe durante reunião na sede da ANS, no Rio de Janeiro (RJ).

"Nossa defesa foi aceita e o texto ficou em consulta pública por um período na ANS. Agora, passada essa fase, foi confirmada a incorporação a partir de janeiro do ano que vem", comemorou o dr. Kfouri. Ainda neste mês de dezembro, explica ele, a Comissão da Tabela de Honorários Médicos da AMB tratou da precificação do palivizumabe na Tabela TUSS, definiu a categoria e repassou toda a codificação do procedimento à ANS.

"Esse é o último passo que faltava e que já aconteceu também. A partir de janeiro, as operadoras de planos de saúde já passam a cobrir o procedimento dentro dos critérios de indicação para quem deve receber, como a criança internada, o prematuro, entre outros", frisou o dr. Kfouri.

Dezembro Vermelho: Testes iniciais na gestação reduzem para menos de 1% risco de transmissão do HIV para o bebê

Os casos de Aids em menores de cinco anos estão em queda no Brasil. De acordo com o último boletim epidemiológico divulgado pelo Ministério da Saúde, houve uma redução de 34% nesses diagnósticos, que passou de 3,6 casos/100 mil habitantes em 2006 para 2,4 casos/100 mil habitantes em 2016. Essa taxa é utilizada para monitorar a transmissão vertical, ou seja, aquela que ocorre de mãe para filho durante a gravidez.

Embora o dado seja animador, toda mulher grávida deve fazer os exames que detectam o HIV durante o pré-natal. O Ministério da Saúde recomenda que seja realizada a testagem na 1ª consulta do pré-natal ou entre o 1º trimestre e 3º trimestre da gestação. Quando a mulher tem o vírus e não realiza nenhum tratamento, a taxa de transmissão de mãe para filho pode ser de 20%. Porém, quando a grávida é diagnosticada e segue todas as recomendações médicas, a possibilidade de infecção do bebê reduz para níveis menores que 1%.

Tratamento - Para prevenir a transmissão, as mulheres devem iniciar o tratamento com os antirretrovirais ainda durante a gestação. Durante o trabalho de parto, também são administradas doses desses medicamentos na veia. Já o bebê irá receber o antirretroviral por quatro semanas e será acompanhado no serviço de saúde.

Tipo de parto - O estado de saúde da mãe é que definirá o tipo de parto mais indicado para evitar a infecção do bebê pelo HIV. As gestantes soropositivas com carga viral maior ou igual a 1000 cópias/ml ou desconhecida após 34 semanas de gestação geralmente são submetidas à cesariana eletiva, que deve ser realizada antes do início do trabalho de parto, sem rompimento da bolsa.

Durante o trabalho de parto, devem ser evitados o recolhimento do sangue do cordão umbilical e de líquido amniótico. Em caso de parto normal, o médico busca evitar o corte cirúrgico feito entre a vagina e o ânus (períneo) e o trabalho de parto deve ser monitorado usando gráfico de acompanhamento da evolução (partograma), evitando toques vaginais repetidos.

Amamentação - O HIV também pode ser transmitido durante a amamentação. Por isso, a mãe que tem o vírus não deve amamentar a criança. A orientação do Ministério da Saúde é suspender a amamentação e substituir o leite materno pelo artificial. Fonte: Governo do Brasil, com informações do Ministério da Saúde

Ano Novo deve gerar ocupação recorde para hotelaria de Olímpia

Comprovando a crescente demanda de turistas para as festividades de Ano Novo, a hotelaria da Estância Turística de Olímpia espera uma ocupação recorde de 95,4% dos meios de hospedagem.

Embora seja a expectativa, o índice é o maior já registrado pelo município, superando inclusive a ocupação real atingida no feriado prolongado do Dia das Crianças, quando 94,7% da hotelaria estiveram ocupados este ano.

Com esse percentual, a estimativa é de que a cidade hospede cerca de 40 mil turistas, entre os dias 29 de dezembro e 1º de janeiro de 2018.

Outro fator relevante identificado na pesquisa realizada pela secretaria de Turismo é que nenhuma empresa do setor apresentou ocupação abaixo de 60%, o que demonstra o bom desempenho da hotelaria para a data e a grande presença de turistas na cidade.

"Há alguns anos já observamos este crescimento na procura dos turistas por Olímpia para passar o Réveillon e, como vemos, desta vez poderemos certamente superar todos os índices já registrados. Isso nos mostra que precisamos estar cada vez mais preparados para atender bem quem vem de fora e toda a população da cidade", destaca o prefeito Fernando Cunha.

Turismo em Itanhaém: Projeto “Estação Criativa” levará atividades recreativas às praias

Em 2018, a Cidade receberá o projeto ‘Estação Criativa’ que reunirá cinco tendas em diversos pontos da Nova Orla, sendo a maioria delas na Boca da Barra. O evento acontecerá entre 1º de janeiro e 4 de fevereiro e reunirá uma programação extensa, com o Festival Frutos da Terra, atividades esportivas, ações de educação ambiental, oficinas de pipas e transmissão de programas ao vivo.

A tenda ‘Inovação’ será a mais energética e o principal ponto desta temporada de Verão. Na Boca da Barra, acontecerá o Festival Frutos da Terra, Beach Baile da Terceira Idade e muitas outras atividades. Já a tenda ‘Meio Ambiente’ será instalada no gramado da Nova Orla do Centro, onde serão promovidas ações como limpeza de praias, passeio ciclístico, caminhada ecológica e coleta seletiva de resíduos.

A tenda ‘Esporte e Saúde’ será lotada de atividades esportivas, como beach tênis, beach soccer, beach vôlei, frescobol, badminton, futevôlei, slackline, treinamento funcional, ginástica aeróbica, aulas de zumba, body combat e yoga. Já o espaço de ‘Cultura e Lazer’ oferecerá oficinas de pipas, pintura facial, gibiteca e apresentações circenses e de mágica.

Além delas, a tenda ‘Lúdica’ promete ser a mais badalada deste Verão: atividades como gravação de CDs, "Dia de DJ", "Você YouTuber" e transmissões de programas ao vivo estão entre as principais atrações.

Fazendo Turismo - São Luís ganha primeiro museu do Reggae fora da Jamaica

Por Geraldo Gurgel


 


Conhecida como a Jamaica brasileira, São Luís ganhará nesta quinta-feira (28), o primeiro museu do Reggae fora do país caribenho. O espaço, de 397 metros quadrados, contará a trajetória do gênero musical no estado e já poderá ser incluído no roteiro de quem visitar a capital do Maranhão nesta temporada de férias de verão. Localizada na Praça do Reggae, tradicional espaço de radiola de reggae na capital, a construção abriga o acervo, material e imaterial, sobre o reggae maranhense.

Uma parte do material foi doada e a outra adquirida de colecionadores. São discos de vinil, gravações em vídeo, fotografias, roupas, acessórios e peças raras consideradas preciosidades da "massa regueira". Entre as relíquias do museu está a guitarra usada há mais de 30 anos no primeiro show da Tribo de Jah, grupo pioneiro do reggae no Maranhão.

Outra peça importante é a radiola de reggae do serralheiro que virou DJ, Edmilson Tomé da Costa, já falecido. Ele ajudou a popularizar o gênero musical nos anos de 1970 com o sistema de som e uma discoteca de cinco mil discos adquiridos em viagens à Jamaica. Depoimentos gravados com personagens da cena reggae, livros, artigos, teses e dissertações compõem o acervo imaterial e digitalizado do museu.

A abertura do museu será uma amostra viva do que o visitante encontrará na exposição permanente. A cultura do reggae no estado, em cinco décadas, resultou no surgimento de bandas e radiolas de reggae, além de DJs e cantores em todo o estado. O ritmo da Jamaica também influenciou a moda com roupas e acessórios característicos, além do visual em dreadlocks e cortes africanos.

São Luís é considerada o maior polo de cultura reggae fora da Jamaica. Uma das particularidades do estilo no estado é que as pessoas dançam agarradas. Os bares, as barracas de praia, as bandas locais e os maranhenses em geral, principalmente da capital, assimilaram e diversificaram o gênero musical, inclusive na versão eletrônica.

Parceria - Os laços culturais que unem o Maranhão e a Jamaica pelo reggae resultaram em parcerias da Secretaria de Cultura e Turismo do Maranhão com museus jamaicanos. Os acordos com museus e casas de cultura públicas e privadas de Kingston, como o Museu Bob Marley, o Museu Peter Tosh e o Museu da Música da Jamaica vão permitir empréstimos de material para exposições temporárias em São Luís. A primeira delas, ainda sem data definida, deverá reunir parte do acervo do Museu Bob Marley no novo espaço cultural.

Entrevista: Este ano plantamos as sementes para transformar o turismo em um dos principais pilares da economia brasileira”, afirma Marx Beltrão

Em entrevista de balanço, ministro fala sobre conquistas e principais desafios para o próximo ano – quando o MTur comemora 15 anos


Aprovação do trabalho intermitente, implantação do visto eletrônico, regularização da lei da gorjeta, reativação das Câmaras Temáticas do Conselho Nacional e ampliação do diálogo com o Congresso Nacional e setor produtivo. Essas foram as principais conquistas elencadas pelo ministro Marx Beltrão no ano de 2017. À frente do Ministério do Turismo há pouco mais de 14 meses, Beltrão ressaltou o esforço que vem sendo realizado junto aos parlamentares para aprovação das medidas do Plano Brasil + Turismo que tramitam no Congresso. Confira a entrevista completa concedida à Agência de Notícias do Turismo (ANT) a seguir:


ANT: Este ano foi marcado pelo lançamento do Plano Brasil + Turismo. O senhor pode falar da expectativa sobre a aprovação das medidas no Congresso e o impacto que elas poderão trazer para o setor?
MB: O lançamento do Plano Brasil + Turismo foi uma grande conquista para o nosso setor. Nele, estão elencadas medidas imprescindíveis e urgentes para aumentar o fluxo doméstico e internacional de turistas, modernizar a legislação, criar oportunidades de negócios, estimular a geração de emprego e renda, e tornar nossos produtos e serviços mais competitivos. Algumas medidas já entraram em vigor, como a implantação do visto eletrônico, o reforço na qualificação profissional, a atualização do Mapa do Turismo Brasileiro e o acordo com a ANTT. Porém, temos importantes iniciativas – como a reformulação do modelo de gestão da Embratur, a modernização da Lei Geral do Turismo, e a abertura de capital das empresas aéreas -, que ainda dependem de aprovação do Congresso Nacional.

Acredito que em 2017 plantamos as sementes que colheremos nos próximos anos. Tenho certeza que esse conjunto de medidas tem tudo para transformar, em definitivo, o turismo em um dos principais pilares da economia brasileira.

ANT: O Ministério do Turismo tem, historicamente, um dos menores orçamentos da Esplanada. Como driblar a falta de recursos e conseguir dar andamento às políticas e projetos da Pasta?
MB: Quando assumi o Ministério do Turismo, identifiquei que o orçamento não era adequado aos desafios e à capacidade da Pasta de gerar emprego e renda ao país. Isso por que o turismo nunca tinha sido encarado como uma atividade econômica, ao contrário de países como Portugal, Espanha e França, por exemplo. Nesse sentido, trabalhei junto ao Governo Federal para atrair mais recursos para nosso setor e, como resultado, conseguimos fazer importantes entregas em 2017. Estou certo de que o poder público tem um limite, e por isso sou amplamente a favor de um diálogo com a iniciativa privada. Acredito que nosso papel como governo é melhorar o ambiente de negócios para que os empresários possam investir em nosso país e gerar emprego para nosso povo. Essa aliança é fundamental para transformarmos o Brasil em um dos principais destinos turísticos do mundo.

ANT: Recentemente foi feito um balanço no número de obras entregues pelo Ministério do Turismo em 2017. O senhor acredita que os investimentos em infraestrutura podem elevar o potencial dos destinos para receber turistas?
MB: Não tenho dúvidas. Entregamos 993 obras de infraestrutura este ano. São intervenções que vão desde o asfaltamento de estradas que ligam destinos turísticos a grandes centros, construção de centros de eventos, museus, casas de artesanato, pontes, instalação de sinalização turística, entre outros. Essas obras são fundamentais para o desenvolvimento regional e foram responsáveis pela geração de emprego e renda para a população.

É importante que as pessoas percebam que a melhoria da infraestrutura turística significa mais qualidade na experiência do turista, além de impulsionar o surgimento de novos empreendimentos como hospedagem, alimentação e lazer.

ANT: Em 2018, o Ministério do Turismo irá completar 15 anos. Qual o balanço que faz período e os principais desafios a serem encarados no futuro?
MB: Este jovem ministério, um dos mais recentes da Esplanada, reúne números importantes que devem ser citados aqui. Hoje, o turismo emprega cerca de 7 milhões de brasileiros e representa 8,5% do PIB direto e indireto do país, porém nosso potencial é muito maior. Somente o setor de bares e restaurantes, por exemplo, espera criar novos 2 milhões de empregos nos próximos anos. Outro segmento que já aponta um crescimento de 15% para a próxima temporada é o dos cruzeiros marítimos.

Acredito que nosso principal desafio é aprovar o PL em tramitação no Congresso Nacional que envolve a reformulação da Embratur, a abertura de capital das aéreas e a modernização da Lei Geral do Turismo. Feito isso, o turismo irá entrar no centro da agenda econômica do país e poderá gerar ainda mais empregos para os brasileiros.

Ano Novo, atitudes novas

Dijanira Silva é missionária da Comunidade Canção Nova
e locutora da Rádio América 1410 AM.



Tenho encontrado muita gente que, talvez como você, está buscando um verdadeiro sentido para a vida e coloca no ano novo toda a esperança. Vida nova requer atitudes novas! Que tal olhar para os fatos que marcam sua história com gratidão no lugar da queixa? Não se trata simplesmente de pensar de forma positiva ou ser indiferente à dor sofrida, é questão de ver as coisas do ponto de vista de Deus, que nos ama e faz com que tudo concorra para o nosso bem (Rm 8,28).

Escuto alguns que se queixam sobre as escolhas erradas feitas este ano e já expressam, de imediato, o desejo de agir do jeito certo no ano que começa, para alcançar a vitória. Até aí tudo bem, o problema é que esta busca constante por "se dar bem na vida" e acertar a qualquer custo, tem gerado aflição ao invés de motivação. O apelo constante da mídia oferecendo facilidades para tudo, de certa forma, condiciona ou influencia nossa geração a viver o imediatismo e o sucesso a todo custo, inclusive quando o assunto é encontrar o sentido da vida.

Além de nos deixar tensos e ansiosos ao ponto de não conseguirmos viver o presente, essa situação nos rouba uma virtude que considero essencial: a esperança. Ela é um dom precioso de Deus, que passa a habitar em nós como resultado de uma experiência pessoal com seu amor. É por isso, que a esperança não se compra nem pode vir de fora para dentro, através dos bens que adquirimos ou, por exemplo, do desenvolvimento da inteligência, mas de dentro para fora, pela força do Espírito Santo que, agindo em nosso interior a partir da liberdade que lhe damos, nos impulsiona a acreditar e seguir em frente, mesmo quando a vida parece ter perdido suas razões.

É por isso que, se realmente queremos um "feliz ano novo", precisamos dar mais atenção aos "gemidos da alma", e não simplesmente enveredarmos por caminhos aparentemente mais fáceis. Olhar a vida por esta perspectiva faz toda a diferença e eu sou testemunha disso. Enquanto procurei entender o "porquê" das coisas acontecerem diferente de como eu imaginei, além de não ter paz, não conseguia enxergar a beleza, nem usufruir dos dons que já havia recebido. Somente quando procurei dar mais atenção à minha alma foi que ouvi, lá no fundo, Deus me dizer: "dá uma olhada à tua volta, reconhece o quanto Te amo, centra teu coração no meu Reino e não te deixes levar pelo que é vão. Abre mão dos teus apegos e Eu te darei, mesmo que seja por meios surpreendentes, a liberdade e a paz que teu coração deseja". O mais gratificante é que fiz e faço a experiência, e tem dado certo!

Talvez este recado de Deus seja também para ti. Então, coragem! Começa o ano com calma, gratidão e esperança. Tu não estarás sozinho! Lembra-te que existe um Deus que te ama, deixa-te conduzir por Ele. Tenho certeza que isso dará um novo sentido à tua vida e fará com que teu ano novo seja, de fato, feliz!



UnitFour realiza levantamento sobre o estado civil da população de São Paulo e do Rio de Janeiro

O estado civil é a situação de uma pessoa em relação ao matrimônio ou à sociedade conjugal. De acordo com as leis brasileiras, os possíveis status de uma pessoa em relação ao casamento e entidade familiar são: Solteiro (quem nunca se casou ou que teve o casamento anulado); Casado (quem contraiu matrimônio, independentemente do regime de bens adotado); Divorciado (após a homologação formal do divórcio pela Justiça ou por uma escritura pública) e Viúvo (pessoa cujo cônjuge faleceu).


 
A UnitFour, empresa fornecedora de dados para o mercado, realizou um levantamento em sua base para analisar o estado civil da população de São Paulo e do Rio de Janeiro, constatando que entre os homens, 57,1% são casados; 40,5% são solteiros; 0,4% viúvos e 1,9% divorciados. Já as mulheres são divididas em 60,6% casadas; 34,8% solteiras; 2,2% viúvas e 2,4% divorciadas. Conforme análise, a maioria presente no banco de dados da companhia é casada. Além disso, a porcentagem de viúvas ou divorciadas é maior do que a de homens nessa mesma situação, já os solteiros são maioria se comparados às solteiras.

Já no comparativo estadual entre São Paulo e Rio de Janeiro, foi constatado que a primeira possui mais pessoas solteiras proporcionalmente do que o Rio de Janeiro, que tem mais casados e divorciados.

Porém, no comparativo das amostragens das duas capitais, a companhia constatou que as porcentagens ficam um pouco mais distantes, mas mantendo a mesma diferença dos estados: São Paulo possui mais pessoas solteiras e menos casados e divorciados do que o Rio de Janeiro.

Cartórios divulgam os nomes mais registrados no Brasil em 2017

Miguel foi disparado o nome mais escolhido pelos pais dos recém-nascidos no Brasil no ano de 2017. O nome de origem hebraica está no topo da lista dos mais registrados no País, dando nome a 25.710 recém-nascidos em levantamento inédito junto a todos os 5.570 mil Cartórios de 16 Estados brasileiros. Na sequencia aparecem Arthur, com 21.161 registros de nascimentos, e Alice, o primeiro nome feminino da lista, com 18.508 registros.

Um novo ranking, mais completo e detalhado, desenvolvido pela Associação Nacional dos Registradores de Pessoas Naturais (Arpen/Brasil) com base nas informações prestadas por todos os Cartórios dos Estados do RS, SC, PR, SP, ES, MG, MS, GO, DF, RO, AC, AP, RR, CE, PE e AL à Central Nacional de Informações do Registro Civil (CRC Nacional) mapeou um estudo completo sobre os nomes mais registrados no Brasil em 2017. Os demais Estados ainda adequam o sistema de seus cartórios para a CRC.

A nova metodologia permitiu a segura identificação de nomes simples e compostos e a comparação efetiva para se chegar aos nomes mais escolhidos dentre os 1.475.278 milhão de nascimentos registrados nestes Estados do País até o dia 10 de dezembro deste ano. Ao todo, a população brasileira escolheu um total de 47.404 nomes diferentes, alguns deles com ampla variação de grafia, além dos tradicionais nomes diferentes escolhidos pelos pais.

Em 2017, além dos três primeiros colocados, a lista nacional dos "10 Mais" conta com Davi (15.372 registros), Heitor (13.718 registros), Valentina (13.193 registros), Gabriel (12.636 registros), Helena (12.615 registros), Laura (12.594 registros) e Bernardo (12.529 registros).

No ranking separado por sexo, os 10 nomes masculinos mais escolhidos foram Miguel (25.710), Arthur (21.161), Davi (15.372), Heitor (13.718), Gabriel (12.636), Bernardo (12.529), Lorenzo (11.098), Enzo Gabriel (10.195), Pedro Henrique (9.237) e Pedro (8.830).

Já entre as mulheres, o ranking dos 10 nomes mais registrados foram Alice (18.508), Valentina (13.193), Helena (12.615), Laura (12.594), Sophia (12.449), Maria Eduarda (9.922), Lorena (9.202), Júlia (9.122), Heloísa (8.639) e Lívia (8.019).


Nomes tradicionais, da moda e variações
O estudo possibilitou identificar ainda um ranking nacional considerando-se apenas o primeiro nome, as variações dos nomes mais comuns, além dos nomes menos comuns ou que caíram em desuso nos últimos anos. Considerando-se apenas o primeiro nome dos registros, o ranking muda completamente de patamar.

Nesta situação Maria passa a ser o nome mais registrado, com 80.192 registros de nascimento, seguido por João (44.450), Ana (41.500), Davi (36.723), Arthur (34.831), Alice (24.420), Pedro (28.327), Enzo (24.923), Sophia (19.775) e Heitor (18.483).

Interessante observar que nomes tradicionais, como Maria, possuem 885 variações de registros, sendo Maria Eduarda o mais comum, com 9.922 registros. Na sequencia estão Maria Clara (7.768), Maria Luiza (6.183) e Maria Julia (5.655). Dos 80.192 registros de nomes com Maria, 73.775 são nomes compostos. Já Ana, possui 270 variações de nomes registrados, com destaque para Ana Julia (6.551), Ana Clara (5.885) e Ana Luíza (3.641). Dos 41.500 registros com o nome Ana, 38.653 dão origem a nomes compostos.

Entre os homens João, possui 154 variações de nomes registrados, com destaque para João Miguel (10.343), João Pedro (6.303) e João Lucas (4.830). Das 44.450 crianças registradas com o primeiro nome João, 40.896 ficaram com nomes compostos. Já Pedro possui 232 variações de nomes, com destaque para Pedro Henrique (9.237), Pedro Miguel (1.741) e Pedro Lucas (1.585). Dos 28.327 Pedros registrados, 19.433 ficaram com nomes compostos.

Nomes considerados "da moda", também aparecem na lista, sendo Enzo uma das situações mais curiosas, já que duas formas quase empatadas dominam o registro de crianças com este nome: Enzo Gabriel (10.195 registros) e Enzo (8.196). Em número maior registram-se as variações de Davi, sendo David Lucas o mais comum, com 4.485 registros, seguido por Davi Lucca, David, David Miguel e Davi Henrique.


Por fim, os registros de nomes que chegaram a ser comuns em outras épocas e que cada vez mais caem em desuso, como Liliana, Sonia, Regis, Vicente, Raquel, Otacílio, Vicente, Émerson e Regis. A lista traz ainda nomes "bem" diferentes, como Riquelmi, Moa, Darcksson, Ambar, Iasã, Zeonilde, Dã, Steice e até um Donald, mas sem Trump.




Ranking nacional de nomes mais registrados

Dez nomes mais frequentes - geral


Miguel 25.710

Arthur 21.161

Alice 18.508

Davi 15.372

Heitor 13.718

Valentina 13.193

Gabriel 12.636

Helena 12.615

Laura 12.594

Bernardi 12.529

 
 
Dez nomes mais frequentes masculino
Miguel 25710

Arthur 21161

Davi 15372

Heitor 13718

Gabriel 12636

Bbernardo 12529

Lorenzo 11098

Enzo Gabriel 10195

Pedro Henrique 9237

Pedro 8830

 
 
Dez nomes mais frequentes feminino
Alice 18508

Valentina 13193

Helena 12615

Laura 12594

Sophia 12449

Maria Eduarda 9922

Lorena 9202

Julia 9122

Heloísa 8639

Lívia 8019

Fonte: Arpen/BR – Central Nacional de Informações do Registro Civil





Ano novo, tudo velho!


Flávio Rodrigo Masson Carvalho - PHD,

Professor e pesquisador do UNIBAVE/NUPEDI(Núcleo de Pesquisa e Extensão em Direito) – Orleans - SC equilibriumtc@hotmail.com

Um novo ano, um novo começo, ou um recomeço, uma nova estória, uma nova vida.

Um ano novo, de novo!

É hora de pensarmos no novo, mais uma vez.

Pensar nos erros, nos acertos, no que faltou, no que sobrou. Pensar no tanto que reclamamos, com motivos, ou sem motivos, na grande maioria reclamamos demais, por muito pouco, sem motivo algum.

Um ano novo com tudo velho!

A velha política, com os velhos políticos. A velha corrupção, a velha mídia, que vai continuar nos bombardeando com as velas notícias, as mesmas, violência, guerras, pobreza, fome, ou seja, muita dor.

Como será o novo ano novo?

Será que farei tudo o que fiz, de novo? Cometerei os mesmos erros? Será que progredi? Será que cresci?

Será que enterrei meus erros? Será que ficaram no ano velho? Será que meu ano novo vai ser tudo novo mesmo?

São tantas as perguntas! Poucas as respostas!

A mais importante pergunta: Como fazer o ano novo ser especial?

Primeiramente, desfazer as malas, ou seja, se livrar das bagagens. Adentrar o novo ano livre, leve e solto!

Deixar as mágoas, os erros, os fracassos para trás.

Levar apenas para o ano novo a esperança, a força de vontade, a elevada auto-estima, a vontade de ser feliz.

O medo tem que ficar no ano velho!

Não adentrar o ano vindouro com medo. Pois este sentimento é o maior empecilho para quem quer ser feliz, quem quer fazer sucesso, quem quer vencer.

O medo nos mata lentamente. Mata nossos sonhos, nossos planos, nossa esperança.

O medo é o sentimento que não devemos levar para o ano novo. Mas não se preocupe, novos medos surgirão. Pois o medo na medida certa, pode nos ajudar. Faz com que sejamos mais cautelosos, nos mantem com os pés no chão. Medo demais é que nos bloqueia, nos castra, e nos impede de ser feliz.

Pense e repense no que você quer para o ano novo!

Queira o novo! Nas próximas eleições, vote nos novos! Não vote nos velhos políticos, Eleja o novo!

E quando souber o que quer, se prepare para lutar, com todas as suas forças para realizar todos os seus planos para o ano novo.

Não tenha medo de ser feliz. Não tenha medo de sair da sua zona de conforto, e principalmente, não tenha medo do novo.

Somente perdendo o medo do novo é que você estará preparado para realizar novas coisas, para concretizar novos feitos.

Faça do bom novo uma constante na sua vida. Ou seja, seja uma nova pessoa, descobrindo novos sentimentos, novas pessoas, novos lugares.

Tenha medo do velho! Enfrente-o, e deixe o novo nascer!

Busque também o novo dentro de você. Busque o novo dentro do homem velho. Mate o velho, e faça surgir um novo homem, um novo ser. E que esse novo homem seja melhor, mais competente, corajoso, e muito mais feliz.

O seu mantra será: "adeus ano velho, feliz ano novo... Que tudo se realize no ano que vai nascer..."

Repensar o novo para melhor enfrenta-lo. Repensar o novo para não ser traído pelo velho. Repensar o novo para não errar de novo. Repensar o novo para ser um novo ser.

Mate o velho que existe em você! Encare o novo sendo uma nova pessoa.

Enfrente o novo com o novo!



5ª Turma do STJ absolve homem condenado por furtar uma peça de carne

A Quinta Turma do Superior Tribunal de Justiça (STJ) concedeu habeas corpus em favor de um homem que havia sido condenado pelo Tribunal de Justiça de São Paulo (TJSP) a 11 meses e 20 dias de prisão, em regime fechado, por ter furtado uma peça de carne bovina avaliada em R$ 118,06.

O episódio aconteceu em um supermercado. O homem tentou subtrair a peça de carne, mas o sistema de segurança do estabelecimento comercial impediu a consumação do delito.

O juízo de primeiro grau absolveu o réu. A sentença declarou atípica a conduta (princípio da insignificância) e também aplicou o artigo 17 do Código Penal (crime impossível), porque o sistema de segurança possibilitou a recuperação da carne.


Decisão reformada
O TJSP, entretanto, deu provimento ao recurso do Ministério Público. O acórdão entendeu pela impossibilidade de aplicação do princípio da insignificância e afastou a atipicidade da conduta em razão de o homem ser contumaz na prática de furtos. Para o TJSP, "a absolvição resultaria em incentivo à conduta delituosa".

No STJ, o relator, ministro Reynaldo Soares da Fonseca, reconheceu que o princípio da insignificância não deve ser aplicado a todo e qualquer crime contra bem de baixo valor e tampouco legitimar reiteradas condutas delitivas, mas, diante das circunstâncias do caso concreto, entendeu pela impossibilidade da punição.


Sentença restabelecida
"Como o próprio juízo havia afirmado, em audiência de custódia, ao conceder a liberdade provisória ao paciente, ele está desempregado, em situação de hipossuficiência social, uma vez que faz tratamento clínico e, por causa disso, não consegue emprego, recebendo tão somente o valor do bolsa família. Diante desse quadro, concluo que se trata, também, de caso de furto famélico", disse o ministro.

A Quinta Turma, ao acompanhar o voto do relator, restabeleceu a sentença absolutória do juízo de primeiro grau.

FOLHAGERAL

Uma pesquisa


feita neste mês de dezembro – envolvendo mais de 2.000 eleitores em 25 Estados e no Distrito Federal – revelou um dado surpreendente: 41% dos eleitores têm a intenção de anular o voto para deputado federal. Este dado da pesquisa divulgada pelo Instituto Paraná Pesquisas (há 27 anos no ramo) teve grande repercussão na imprensa nacional.



Isto quer dizer
que, em cada roda de conversa onde estão 10 eleitores, 4 deles estão pretendendo anular o voto para deputado federal. Não é pouco. Ainda mais quando estamos a muito tempo das eleições, que vão acontecer em outubro de 2018.

Os analistas
lá do botequim da vila são de opinião que o número somado de votos brancos e abstenções deve passar dos 50%. Se isto se confirmar, de fato, vai ficar escandaloso para os políticos. Mas os analistas dizem que a revolta não será apenas contra deputados federais. Deverá atingir também deputados estaduais, senadores, governadores e presidenciáveis.

A transparência
está cada vez maior. Toda a mídia já perdeu o receio de exibir e comentar abertamente as traquinagens dos políticos. Isso faz os eleitores ficarem de saco cheio com os políticos. Vamos ver como os políticos vão se comportar nas propagandas eleitorais.

Há vários dias,
a Prefeitura de Jales fez a reposição da grade de proteção na ponte da Av. Maria Jalles, no lugar da que se quebrou. Os dois lados estão protegidos. Os pedestres podem passar sossegados. Só uma observação: além da instalação da nova grade, deveriam ter limpado a sarjeta e passado um herbicida na grama que cresce na passagem dos pedestres.

Novas regras
eleitorais, aprovadas no Congresso, já valerão em 2018. Elas proíbem candidatura avulsa. Isso gerou protestos do senador José Reguffe (sem partido-DF). Ele chegou a pedir verificação de voto, mas não teve o apoio necessário.

O senador
José Regugge argumentou: "Se alguém quiser se filiar a um partido, muito bem. É um direito. Mas, candidatar-se sem filiação partidária também é um direito; e o eleitor tem a liberdade de escolher. Proibir isso é antidemocrático. Torna a política monopólio dos partidos políticos".

Outra mudança
é que todos os partidos que participaram do pleito poderão concorrer à distribuição dos lugares não preenchidos com a aplicação do quociente partidário. Atualmente, apenas os partidos que alcançaram o quociente eleitoral podem concorrer a essas vagas. A nova regra abre a possibilidade de participação a partidos com votações menores.

O quociente
partidário é encontrado pela divisão dos votos recebidos pelo partido ao quociente eleitoral. Quanto mais votos recebidos, mais chances de preencher vagas. E o quociente eleitoral é determinando, dividindo o número de votos válidos apurados ao número de lugares a preencher em cada circunscrição eleitoral.

Até o momento
de fechamento desta edição, o Projeto de Lei 1148 / 2017 apresentado pelos 94 deputados estaduais da ALESP, classificando 20 municípios como MIT Município de Interesse Turístico (entre eles Jales), ainda não havia sido aprovado.

O Projeto de Lei
foi publicado no Diário da Assembleia, em 16/12/2017 (pág.11), e havia passado por cinco sessões em Plenário. No dia 19/12/2017 (terça-feira) entrou na pauta da sessão. A expectativa do staff do Poder Executivo jalesense é que seria aprovado na quarta-feira (20).

O projeto
não tramitava em regime de urgência. No dia 20/12/2017, foi publicado Requerimento de autoria dos deputados Itamar Borges e Carlão Pignatari, solicitando que a tramitação do Projeto de Lei fosse em caráter de urgência. Nessa sessão, o deputado Itamar Borges questionou se havia possibilidade do projeto 1148/2017 dos MIT ser apreciado na sessão do dia 21. Não foi.

Daí em diante
tramitou nas seguintes sessões: 20/12/2017 (pauta da 2ª sessão), 21/12/2017 (pauta da 3ª sessão), 22/12/2017 (pauta da 4ª sessão), 26/12/2017 (pauta da 5ª sessão). Numa busca no D.O. da Alesp,verificou-se que não havia qualquer publicação de aprovação relacionada com o Projeto de Lei.

O presidente
Cauê Macris ao encerrar a 77ª Sessão Extraordinária de 27/12/2017, convocou os deputados para a Sessão Inaugural da 4ª Sessão Legislativa da 18ª Legislatura, às 15 horas do dia 1º de fevereiro de 2018 e declarou levantadas as atividades da 3ª Sessão Legislativa da 18ª Legislatura.

Em Jales,
o prefeito Flá Prandi (DEM) vai economizar com a não publicação dos atos oficiais em jornais impressos, o que deve acontecer a partir deste primeiro de janeiro (?). Ninguém se opõe. Mas os contribuintes opinam que ele precisa rever o esquema de varrição das vias públicas urbanas por empresa terceirizada, pois a varrição tem que atingir 100% da cidade para estender o direito à limpeza a todos os cidadãos.

Os consumidores
jalesenses andam reclamando do descaso, tanto do Poder Público como dos empresários, lojistas e comerciantes. Em pleno centro da cidade, vêem crescendo nas calçadas e sarjetas aquela grama conhecida por "pé de galinha". E há ainda a sujeira que costuma se acumular nas sarjetas. Muitos se perguntam: é difícil para os donos das lojas fazer a limpeza?

Em breve,
como Jales será um Município de Interesse Turístico (MI), vai receber recursos para fazer investimentos no turismo. Também terá que manter a cidade à altura dos turistas e visitantes. As associações de classe devem orientar seus associados a pôr as mãos em obra.

Palavras de Allan Kardec

 
Allan Kardec - A prece torna o homem melhor?

Os Espíritos - Sim, porque aquele que faz preces com fervor e confiança se torna mais forte contra as tentações do mal, e Deus lhe envia bons Espíritos para o assistir. É um socorro jamais recusado, quando o pedimos com sinceridade.

Allan Kardec - Como se explica que certas pessoas que oram muito sejam, apesar disso, de muito mau caráter, ciumentas, invejosas, implicantes, faltas de benevolência e de indulgência: que sejam até mesmo viciosas?

Os Espíritos - O essencial não é orar muito, mas orar bem. Essas pessoas julgam que todo o mérito está na extensão da prece e fecham os olhos para os seus próprios defeitos. A prece é para elas uma ocupação, um emprego do tempo, mas não um estudo de si mesmas. Não é o remédio que é ineficaz, neste caso, mas a maneira de aplicá-lo.


O Livro dos Espíritos: Pergunta - 660 e 660-a


(Esta coluna tem o patrocínio e responsabilidade do Grupo Espírita "Chico Xavier", de Jales.)

O ar que te mata

José Renato Nalini
secretário estadual de Educação



A médica Evangelina Vormittag é conhecida como Doutora Poluição. É especialista em Patologia Clínica e Microbiologia pela USP e em Gestão de Sustentabilidade pela FGV. Idealizou e preside o Instituto Saúde e Sustentabilidade. Está preocupada com a poluição paulistana.

São Paulo tem um nível de poluição duas vezes e meia maior do que a OMS - Organização Mundial da Saúde - recomenda. Há evidente associação do ar poluído e o câncer, principalmente o de pulmão. Mas também o de bexiga, o de mama e do tecido sanguíneo, que se conhece como leucemia e linfoma. O ar tóxico é o líder ambiental dentre as causas de morte e enfermidade. Arritmia, infarto e derrame derivam do ar poluído. 5 mil pessoas morrem a cada ano em São Paulo por essas causas. 8 mil na região metropolitana e 17 mil no Estado inteiro.

Adverte a Doutora Poluição que a contaminação do ar mata mais do que aids, câncer de próstata e acidente de trânsito. Só que existe uma resistência imensa a debelar as causas da poluição. Em Paris, quando a poluição chegou a 100 microgramas, proibiu-se o tráfego no centro, disponibilizou-se entrada grátis no metrô e as aulas foram suspensas. Em São Paulo, o nível de alerta da poluição é de 240 microgramas de material particulado por metro cúbico de ar em 24 horas. Mais do que o dobro daquilo que Paris observa. Ou seja: estamos no quarto mundo!

Será que temos pulmões três vezes mais resistentes do que o dos parisienses? O veneno está no diesel, na gasolina utilizada no Brasil, que é muito inferior àquela de que se serve o Primeiro Mundo. Há evidente irracionalidade quando se verifica o número de ônibus percorrendo a mesma trilha do metrô. Se já existe metrô, por que fazer os ônibus nas linhas que podem ser atendidas pelo transporte coletivo menos poluente?

Não faltam leis. Como a 14.933/2009, do município da capital. Até 2018, o transporte público sobre rodas deverá ter 100% de combustíveis limpos. Quem acredita que isso será cumprido?

Se o diesel fosse substituído por matriz energética limpa - elétrica, biodiesel ou híbrido com as duas alternativas - seriam salvas 13 mil vidas até 2050 e se evitaria a perda de R$ 3,8 bilhões à capital. Se os níveis atuais forem mantidos, haverá mais 178 mil mortes até 2050 a um custo de R$ 54 bilhões. Mas isso parece não interessar senão a alguns poucos, os considerados exóticos, ecochatos ou fundamentalistas ecológicos.
 

Identidade e imagem dos políticos

Gaudêncio Torquato, jornalista, professor titular da USP é consultor
político e de comunicação. Twitter: @gaudtorquato



Se há uma ambição comum aos políticos é construir e manter uma imagem positiva junto aos eleitores e perante a sociedade. A imagem dos políticos de todas as esferas está soterrada. As Casas parlamentares – câmaras de vereadores, assembléias legislativas, Câmara Federal e Senado – recebem nota de desaprovação dos brasileiros. Governantes – prefeitos, governadores e presidente da República - são mal avaliados. O fato é que a sociedade parece de costas para a política, sob um pesado clima negativo que joga as margens da rejeição para índices acima de 60% a 70%, algo nunca visto.

Afinal, o que significa imagem? É preciso distinguir imagem de identidade. Por identidade, compreende-se a coluna vertebral do político, englobando coisas como seu pensamento, história de vida, feitos e fatos relevantes de sua trajetória, comportamentos e atitudes. Portanto, a identidade é a verdade do político. Já a imagem é a projeção da identidade, ou seja, é a percepção produzida por associação de ideias, observação sobre atos e maneira de ser.

Essa percepção vai se alongando no território mental dos observadores, a partir das expressões que estes captam, seja por meio de conceitos e ideias, seja por meio da estética (maneira de falar, de vestir, de gesticular etc). Isso explica, por exemplo, como a boa imagem de um político poderá se afunilar e acabar se tornando negativa. De tanto repetir os mesmos cacoetes, conceitos politicamente incorretos, gafes e coisas do gênero, figurantes tendem a sair do conforto da boa imagem para o inferno das más avaliações.

A identidade equivale à sombra abaixo dos pés de uma pessoa submetida ao sol do meio dia. Não se vê resquício de sombra, eis que os raios do sol incidindo sobre o centro da cabeça não a deixam aparecer. Entendamos que, sob o sol do meio dia, a imagem corresponde exatamente à identidade. À medida que o sol se inclina no poente, os raios, incidindo sobre o corpo de uma figura, alargam sua imagem, desenhando no chão a projeção de sua massa corporal. Quanto mais esgarçada, mais a imagem distorce a identidade.

Esse fenômeno ocorre com políticos ou celebridades. Alguns conseguem manter a imagem próxima à identidade, mas a maioria já não consegue. Na projeção, algumas imagens adentram a esfera positiva. Outras, não.

Quem está com a imagem no altar da admiração? Sérgio Moro, um deles. Sua identidade é a do juiz sério, que cumpre a missão profissional e desperta a alma cívica. No caso, identidade e imagem caminham juntas.

E Lula? É um caso sui generis. Se a racionalidade estivesse mais presente na alma nacional, estariam ele e Dilma mergulhando nos rios de sangue fervente e tomando banho de chuva permanente de brasas no 7º círculo do inferno de Dante. A razão? Porque os cordões umbilicais de ambos estariam amarrados à maior recessão da história brasileira, sendo os responsáveis por nossos milhões de desempregados. Infelizmente para a classe artística, Lula é a encarnação da divindade.

Sob o colchão emotivo, Lula continua a receber as bênçãos de grande parcela da população nordestina. Que enxerga nele o despachante de grandes obras sociais, o semeador que plantou o Bolsa Família e outras benesses. Entrará no pleito. Será um Cristo conduzindo a cruz até o calvário. O mesmo pode se dizer da ex-presidente Dilma Rousseff. Não duvidem se chegarmos a vê-la no Senado em 2019.

Voltando à questão da imagem, o tempo vai apagando mágoas e defeitos. Ouve-se no Nordeste que "Lula roubou, mas fez". A lembrança vem a propósito de Paulo Maluf. Preso após antiga pendenga na Justiça. Constata-se, porém, que, aos 86 anos e com câncer, o ímpeto social contra sua figura arrefece. Já não se vê tanta indignação em relação a Maluf. Foi purgado em parte pela roubalheira desses tempos nebulosos.

Em tempo: triste é ver uma Nação transformar calhordas em heróis. Ou lobos vestindo a pele de cordeiros.