Páginas

segunda-feira, 6 de julho de 2015

Centro Integrado premia mais um colaborador no projeto “Funcionário do Mês”


Ter amor, dedicação, fazer o que gosta, é o que relatou a funcionária destaque do mês de junho, Adriana Satiko. Técnica de enfermagem da UTI Neonatal, ela trabalha há 13 anos na Santa Casa de Jales, e é uma das responsáveis por cuidar da vida dos recém-nascidos. "É tão bom vermos que aquela criança de quem cuidamos está bem, cheia de saúde, fico lisonjeada. Por isso, devemos realizar nosso trabalho com amor, dedicação e acima de tudo ter carisma e carinho pelo paciente", destacou Satiko.
A enfermagem é considerada o setor que mais se concentra números de funcionários, por tal motivo, foi dividido os três períodos para votação. E, no último mês os colaboradores que estavam no período vespertino foram avaliados pelo Centro Integrado de Humanização, que utilizaram critérios para realizar as escolhas.
Para a gestora da enfermagem Ana Lúcia da Silva, e também integrante do CIH, o amor deve prevalecer no ambiente de trabalho, isto faz o colaborador tornar-se destaque. "Basta colocar-nos no lugar da pessoa envolvida para compreendermos o que de fato os mesmos podem estar sentindo a respeito da situação. Temos que nos sensibilizarmos, termos compaixão pelo próximo e entendermos que um precisa do outro. Um sorriso melhora o dia e ter educação é dever de todos".
Ana Lúcia, ainda evidenciou que a colaboradora Adriana Satiko é um exemplo a ser seguido, assim, como demais funcionários que não medem esforços para realizar um trabalho humanizado. "Posso afirmar com todas as letras que essa profissional é excelente, comprometida e responsável com suas tarefas e com os pacientes da nossa Santa Casa. Ela tem um grande amor pela função que desempenha, principalmente por se tratar dos primeiros momentos de vida de um recém-nascido que é na UTI Neonatal, além de ser um momento tão importante para a família que ‘deixa’ sua criança aos cuidados das nossas profissionais, como a Adriana".
Neste mês de julho já começaram ser avaliados outros setores, exceto gestores e integrantes do CIH que não participarão.

MPF em Barretos/SP obtém condenação de quadrilha de contrabandistas

Grupo foi preso depois que viatura policial em alta velocidade colidiu com asa de aeronave para impedir a fuga dos criminosos

Quatro acusados pelo Ministério Público Federal em Barretos, no interior de São Paulo, foram condenados pela Justiça pelos crimes de descaminho e formação de quadrilha. A quadrilha foi presa em novembro de 2011, após o pouso de uma aeronave carregada de produtos de origem estrangeira, sem documentação que comprovasse sua entrada no país de forma legal. Os policiais ainda encontraram na casa dos líderes do grupo grande quantidade de mercadorias que também não possuíam notas fiscais. Ao todo, os bens descaminhados somavam R$ 273,7 mil.
Na ocasião do flagrante, os agentes monitoravam pistas clandestinas que estariam sendo utilizadas por traficantes de drogas e contrabandistas, quando a aeronave da quadrilha pousou em meio a um canavial no município de Sales Oliveira. Ao perceberem a presença da polícia, os criminosos ainda tentaram nova decolagem, mas uma das viaturas, em alta velocidade, colidiu com a asa esquerda do avião para impedir a fuga. A aeronave rodou na pista e parou. Dentro dela, a polícia encontrou diversos aparelhos eletrônicos, como notebooks, impressoras e câmeras, vindos do Paraguai.
Havia ainda duas caminhonetes na pista, que iriam fazer o transporte terrestre das mercadorias trazidas do exterior. Os veículos tentaram impedir a ação policial por meio de manobras perigosas e ofensivas visando a permitir, sem sucesso, a fuga da aeronave. Além do piloto, Renato Antônio Biasi, já falecido, três integrantes da quadrilha que estavam em um dos carros foram presos em flagrante. Outro acusado, Eduardo Luiz Cacharro, conseguiu fugir a bordo da segunda caminhonete.
Segundo a decisão da Justiça Federal, Carlos César Ferdinandi Sanches e João Francisco Medeiros Lima, presos durante a ação policial, devem cumprir quatro anos de reclusão, e Orlando Eduardo Cacharro, também detido na ocasião, três anos e 11 meses, todos em regime inicial aberto. As penas de reclusão foram substituídas por penas restritivas de direitos consistentes em multa e prestação de serviços à comunidade. Orlando, apesar de ser um dos líderes da organização juntamente com seu filho Eduardo, teve a pena reduzida por ser maior de 70 anos.
RECURSO.
O MPF entrou com recurso para que as penas dos acusados sejam aumentadas em relação ao crime de formação de quadrilha. A Procuradoria da República em Barretos também requer que todos os réus sejam condenados ao cumprimento de pena privativa de liberdade (regime semiaberto) e não a penas restritivas de direitos. Apenas Eduardo Luiz Cacharro foi sentenciado a quatro anos e oito meses de reclusão, devendo por isso cumprir pena em regime semiaberto.
Para o MPF, as circunstâncias judiciais desfavoráveis reconhecidas pela Justiça para o delito de descaminho, tais como a grande quantidade de mercadorias apreendidas, a sofisticação do modus operandi da entrada ilegal das mercadorias, a tentativa de fuga e o confronto com os policiais, devem ser aplicadas também ao crime de quadrilha. Denunciado em 2011 pelo MPF, Renato Antônio Biasi teve sua punibilidade extinta porque morreu durante o processo. O número para acompanhamento processual é 0007528-96.2011.403.6138. Para consultar a tramitação, acesse: http://www.jfsp.jus.br/foruns-federais/

Projeto de Lei que estende prazo para o fim dos lixões não é solução, aponta FecomercioSP

Para o Conselho de Sustentabilidade da Entidade, prorrogar fará com que o município reaja somente nas vésperas do vencimento do prazo

São Paulo, 06 de julho de 2015 - A Federação do Comércio de Bens, Serviços e Turismo do Estado de São Paulo (FecomercioSP), por meio de seu Conselho de Sustentabilidade, não considera como solução a prorrogação do prazo para que as cidades encerrem seus lixões, proposta pelo Projeto de Lei do Senado nº 425/2014, que estende o tempo para que o município se adapte à Política Nacional de Resíduos Sólidos.
O Conselho afirma que a Política Nacional de Resíduos Sólidos não trata somente do encerramento de lixões, também aborda a obrigatoriedade da destinação dos resíduos para reuso, reciclagem ou aproveitamento energético, além da disposição final adequada dos rejeitos em aterros sanitários.
Segundo o Conselho de Sustentabilidade da FecomercioSP, a solução seria estabelecer, por meio de um Termo de Ajuste de Conduta (TAC), um cronograma de ações para o município com o objetivo de erradicar os lixões. Adicionalmente, o Conselho avalia como preocupante que municípios e estados ainda não tenham planos de resíduos sólidos e de saneamento básico, que são os alicerces para a sustentabilidade da administração pública.
A proposta do Conselho também compreende que essas áreas, quando forem desativadas, devem ser recuperadas ambientalmente. E isso inclui o cercamento do espaço, drenagem pluvial, cobertura com solo e da vegetação, sistema de vigilância e realocação da população e edificações.
Em linhas gerais, a Federação acredita que a sociedade precisa se adaptar aos novos padrões de consumo e hábitos - como separar o lixo úmido (origem orgânica) do seco (reciclável) -, cooperando com a logística reversa até os pontos de coleta. Para estimular tais ações, o governo precisa atuar na criação de mecanismos sérios e eficazes de fiscalização.
Sobre a FecomercioSP
A Federação do Comércio de Bens, Serviços e Turismo do Estado de São Paulo (FecomercioSP) é a principal entidade sindical paulista dos setores de comércio e serviços. Congrega 155 sindicatos patronais e administra, no Estado, o Serviço Social do Comércio (Sesc) e o Serviço Nacional de Aprendizagem Comercial (Senac). A Entidade representa um segmento da economia que mobiliza mais de 1,8 milhão de atividades empresariais de todos os portes. Esse universo responde por 11% do PIB paulista - aproximadamente 4% do PIB brasileiro - e gera em torno de de cinco milhões de empregos


Em parceria com a Som Livre, Festa do Peão de Barretos terá Palco Festeja

 
Palco localizado próximo à Feira Comercial no Parque do Peão receberá mais de 25 shows em 11 dias de Festa
Nos 11 dias de programação da Festa do Peão de Barretos, um dos atrativos será o Palco Festeja. O espaço, que leva a marca da Som Livre, receberá shows de grandes artistas ao longo do evento. Também estão previstas apresentações de cantores e duplas regionais, além de novos talentos que estão despontando pelo Brasil. A festa acontece de 20 a 30 de agosto.
A parceria do evento com a Som Livre completa dois anos em agosto. "Ter a Som Livre presente em nosso evento, através da marca Festeja, é trazer mais uma vez para a Festa do Peão a experiência e o conhecimento que a empresa tem com grandes festivais e artistas. Uma união de forças em nome da música sertaneja" declarou Ricardo Rocha, diretor cultural de Os Independentes.
"A identificação da marca Festeja com a Festa do Peão de Barretos é imensa. Festeja significa a junção das palavras festa e sertaneja. É um convite para que todos possam se divertir intensamente, em clima alto-astral, de festa, de confraternização entre as pessoas, ao lado de grandes artistas da música brasileira", explica o executivo da Som Livre responsável pela área de shows, Bruno Graça Melo Côrtes.
A programação será aberta na primeira noite da festa, dia 20, com o show Filhos da Terra, um especial reunindo 13 cantores e duplas de Barretos e região. Na sexta-feira, dia 21, estão confirmados Thiago Brava, Luiz Henrique & Leo e Rogério Ferrari. Sábado o Festeja recebe Fernando & Sorocaba, Fred & Gustavo e Tuta Guedes. Fechando a semana, o palco terá a atração infantil, Dudinha e a Galinha Pintadinha, e os shows de Juliano Cézar e Mc Guimê.
Na segunda-feira, dia 24, são cinco apresentações confirmadas: Carreiro & Capataz, Matheus & Kauã, Pedro Henrique & Fernando, Sandra & Leonarda e Pedro Henrique & Alexandre. Gino & Geno e Humberto & Ronaldo são as atrações de terça-feira, dia 25. Já no dia 26, quarta-feira, subirão ao Festeja Mato Grosso & Mathias e Zé Henrique & Gabriel.
As atrações de quinta-feira, dia 27, são Trio do Brasil e Bruninho & Davi. Sexta-feira, dia 28, tem Zé Ricardo & Thiago, Thales Lessa, Kleo Dibah & Rafael e Sol Garcia. Sábado, dia 29, são seis shows encerrando a programação do palco: Israel & Rodolfo, Maycon & Vinicius, Zé Neto & Cristiano, Roby & Thiago, Conrado & Aleksandro e Bruno & Barretto.
Imagem Fernando & Sorocaba está na programação do Palco Festeja, com show no sábado, dia 22 (Foto: Cadu Fernandes)Imagem Gino & Gino está entre as atrações de terça-feira, dia 25 (Foto: Divulgação)

sábado, 4 de julho de 2015

FOLHAGERAL, da redação



Um certo
Sentimento de frustração é sentido pelos lojistas, comerciantes, donos de bares, lanchonetes e restaurantes com a não realização dos 59º Jogos Regionais, que seriam realizados entre os dias 09 e 19 de julho deste mês. Daria para faturar – segundo dizem – uma graninha oportuna nesta crise.
Apesar
do Governo do Estado repassar recurso para cobrir gastos com os Jogos, a administração municipal considerou que o valor não seria suficiente para cobrir os gastos. Isto obrigaria o município a deslocar investimentos de outros setores para cobrir despesas com o evento esportivo. Os cofres da Fazenda Municipal estão no limite. O prefeito resolveu ouvir o conselho dos antigos: "precaução e caldo de galinha não faz mal a ninguém".
Coube
à cidade de Penápolis a responsabilidade de sediar os Jogos Regionais 2015, depois de negativas de outras cidades sondadas. O prefeito de lá, Célio de Oliveira, destacou num programa de rádio, no final de maio, os benefícios dos Jogos para a economia local.
Segundo
o prefeito Célio comentou, trata-se de um convênio de R$ 400 mil com o Estado, com uma pequena contrapartida do município. "Com as dificuldades financeiras – que hoje todos os municípios enfrentam – estabelecemos que a contrapartida máxima que poderíamos oferecer seria de no máximo 2,5%."
Na verdade,
a ideia inicial do prefeito, segundo ele revelou, era não oferecer nenhuma contrapartida, mas isto não é permitido quando se trata de um convênio. "Teremos, então, que dar uma contrapartida entre R$ 5 a R$ 10 mil, quando o valor que normalmente é exigido pelo Estado é de cerca de R$ 80 mil", continuou o prefeito.
"A presença
de milhares de atletas movimenta o comércio e aquece a economia da cidade. Lanchonetes, bares, pizzarias, shopping center e demais estabelecimentos são beneficiados, pois o consumo aumenta", justificou. "Além disso, há a questão da alimentação: açougues, supermercados e feirantes, que fornecem alimentos para os atletas de nossa cidade e de outras delegações, tendem a lucrar bastante", concluiu o prefeito Célio.
Os vereadores
Gilberto Alexandre de Moraes, Jesus Martins Batista, Luís Fernando Rosalino, Pérola Maria Fonseca Cardoso e Rivail Rodrigues Júnior querem saber, do prefeito Pedro Callado, informações sobre o custo financeiro do transporte oferecido pela prefeitura aos estudantes universitários que cursam faculdades em cidades da região.
Os parlamentares
ainda querem saber quanto foi gasto de recursos financeiros pela Prefeitura Municipal nos anos de 2013 e 2014 – e qual é a estimativa de gastos para o ano de 2015 –, se mantido o transporte de estudantes até o final do ano. O problema não é o gasto em si, mas encontrar uma solução de bom termo para a realização do serviço. É que, a partir de janeiro de 2016, o Município não poderá ceder mais ônibus para esse tipo de transporte.
O prefeito
Pedro Callado esteve visitando a Folha Noroeste nesta quarta-feira, 01 de julho. Numa atenciosa conversa, expôs a situação dos cofres do tesouro municipal e as dificuldades que está encontrando para manter as finanças em dia. É simples entender suas adversidades.
A Prefeitura
de Jales, se fosse administrada como uma empresa privada, teria uma meta de receita por funcionário e outra meta de despesa por funcionário. Assim, teria como atingir o objetivo de funcionar sem dificuldades financeiras. Contrataria diretores de ótimo nível profissional e qualificaria seus funcionários. Deixaria de prestar à comunidade os serviços de custos elevados e manteria os de custos baratos.
Entretanto,
não é assim que funciona uma organização pública. A Prefeitura de Jales é uma grande encrenca, uma herança de desmandos administrativos. As mudanças encontram resistência de natureza estatutária. A motivação dos servidores é baixa. As receitas públicas são mal repartidas entre as esferas administrativas, com prejuízo à prefeitura. A comunidade exige os benefícios que lhes são de direito.
A política,
aliada ao esforço administrativo, é a solução possível. É assim que o prefeito Pedro Callado poderá dirigir Jales na direção dos municípios de desempenho público eficiente, que existem, sim, no estado e no país. Claro, a ajuda dos vereadores é imprescindível.
A ADERJ,
Associação dos Deficientes Físicos da Região de Jales, uma OSCIP, foi condenada a devolver R$ 275.772,11 – a serem atualizados monetariamente e acrescidos dos juros de mora cabíveis –, com suspensão de novos recebimentos. Acórdão nesse sentido foi publicado pelo TCESP nesta terça-feira, 30 de junho, e refere-se ao exercício de 2009, cuja prestação de contas foi julgada irregular. O valor do repasse da Prefeitura para a Aderj foi de R$ 1.689.459,06.
Uma Comissão
estaria analisando a possibilidade de disponibilização da área urbana, onde está o Estádio Municipal Roberto Valle Rollemberg. Com ganhos a todos, inclusive ao esporte. E, ao final, apresentará um projeto de um novo Centro Esportivo mais moderno e eficiente e menos caro.
 
 
 


Na região de Jales, municípios sofrem queda em índice social

Foi divulgado no dia 25 de junho, pelo Instituto do Legislativo Paulista e a Fundação Sistema Estadual de Análise de Dados (Seade), o Índice Paulista de Responsabilidade Social – IPRS, que já teve 8 edições e agora, apresenta dados do ano de 2012. Esse indicador é composto de três características atribuídas às cidades do estado de São Paulo: riqueza, escolaridade e longevidade, que são expressos em uma escala de 0 a 100, que permitem organizá-las em hierarquias em relação a determinada unidade territorial, classificando os 645 municípios do estado em 5 grupos, unindo aqueles com características similares.

Segundo dados divulgados pela Assembleia Legislativa do Estado e São Paulo, houve um crescimento em 2012. "Foi registrada a marca de 46 pontos em riqueza no IPRS, um avanço de um ponto em relação a 2010, o que reflete a estabilidade da economia paulista no período. Nos indicadores sociais ocorreram avanços importantes. O indicador de longevidade teve acréscimo de um ponto em relação a 2010, passando de 69 para 70. O indicador de escolaridade o Estado de São Paulo alcançou 52 pontos, um avanço de quatro pontos em relação a 2010 , disse em nota.

O ÍPRS qualifica os municípios em cinco faixas: Grupo 1 – municípios com bons níveis elevados de riqueza e bons níveis nos indicadores sociais; Grupo 2 – municípios que, embora com níveis de riqueza elevados, não exibem bons indicadores sociais; Grupo 3 – municípios com nível de riqueza baixo, mas com bons indicadores nas demais posições; Grupo 4 – municípios que apresentam baixos níveis de riqueza e nível intermediário de longevidade e/ou escolaridade; e Grupo 5 – municípios mais desfavorecidos, tanto em riqueza quanto nos indicadores sociais.

Nogrupo mais baixo da escala, o 5, que abriga os municípios mais desfavorecidos estão Pontalinda e Vitória Brasil que em 2010 estiveram no grupo 4. O município de Dirce Reis que em 2.010 estava no grupo 5 em 2012 passou para o grupo 4.
Indice
Criado à semelhança do Índice de Desenvolvimento Humano (IDH), do Programa das Nações Unidas para o Desenvolvimento, o Índice Paulista de Responsabilidade Social objetiva ser um instrumento para melhorar a qualidade de vida do povo paulista, na medida em que busca facilitar uma identificação mais ágil das necessárias políticas públicas a serem implementadas nos municípios.

Neste sábado, 4 de julho – Noite de Pizza Beneficente

No sábado, 4 de julho, das 20h às 22h, a Associação Espírita "Chico Xavier", sito à rua Goiás n° 4.336, jardim Paulista, em Jales, realiza em sua sede, mais uma tradicional Noite de Pizza beneficente, onde você poderá, com a família, deliciar-se com vários tipos de pizzas, preparadas com o maior carinho.

Cada convite individual - self-service custa R$ 17 e pode ser adquirido com os trabalhadores e colaboradores para com a entidade, ou através dos telefones 99714 3425 com Pedro, e 99616 0818 com Paulo.

No cardápio, os seguintes tipos de pizza:
 
 
 
*Angolana
(à base de frango)
*Napolitana
(à base de muçarela e parmesão)
*Romana
(à base de calabresa e palmito)
*Bacon e catupiry
*Imperador
(à base de muçarela e lombo canadense)
 

 
Obs: As pizzas serão iguais somente quando os nomes forem idênticos. A base pode ser a mesma, mas a composição é diferente. As nossas pizzas não são repetidas durante o ano.

Callado recebe equipe gestora da FATEC

Andréia Silva, diretora, Vitor Boldrin, coordenador do curso de Gestão Empresarial, Alexandre Bernardes, coordenador do Curso de Sistemas para Internet e Adriana Colombo, coordenadora do Curso de Agronegócios da Faculdade de Tecnologia/FATEC de Jales, foram recebidos pelo prefeito Pedro Manoel Callado em seu gabinete, na manhã desta terça feira, 30 de junho.

Na oportunidade conversaram sobre assuntos relacionados à faculdade, a administração municipal e questões da comunidade. Participou do encontro o presidente do diretório municipal do PMDB de Jales, José Devanir Rodrigues (Garça).

Cras realiza palestra sobre AVC



Os estudantes da Liga de Neurologia da Faculdade de Medicina Universidade Cidade de São Paulo – UNICID, Juliana Borges Saracuza e Francisco Airton Saracuza Junior, ministrado pela professora Ana Piccollo, realizaram uma palestra voluntária nesta quarta -feira, 1º de julho, às 14 horas, no prédio do Cras ao Grupo da Melhor Idade e Adolescentes, onde também houve a participação do Núcleo de Apoio a Saúde da Família – NASF, que verificou a pressão arterial das pessoas presentes.
O tema da palestra foi " O que significa AVC e como identificá-lo", foi demonstrado pelos estudantes quais são os sintomas do Acidente Vascular Cerebral – AVC, como se prevenir e orientar a família a respeito dessa doença.
Ele enfatizaram que "o AVC é uma emergência médica e todo minuto ganho pode fazer toda a diferença para a sobrevivência", por isso a importância de reconhecer os sintomas. 
Os estudantes com a total responsabilidade, comprometimento e domínio do assunto abordado, concluíram com grande satisfação entre perguntas e resposta que se obtiveram neste momento, com esse projeto concretizado o município agradece a coloboração e participação de todos.

Programa Ópera Curta leva espetáculo O Barbeiro de Sevilha a Santa Fé do Sul

O Ópera Curta, programa de circulação de óperas, promovido pela Secretaria da Cultura do Estado de São Paulo chega a Santa Fé do Sul, neste sábado, dia 4 de julho, às 20 horas, no Complexo Turístico, Cultural e Histórico.
A Cia. apresentará o espetáculo "O Barbeiro de Sevilha – a história contada e cantada da Ópera a Inútil Precaução", do compositor Gioachino Rossini, baseado na comédia Le Barbier de Séville, do dramaturgo francês Pierre-Augustin Caron de Beaumarchais. A entrada é franca.
Nesta montagem, o Programa de Circulação de Óperas apresenta os principais trechos musicais da ópera, ligados por um texto teatral. O Barbeiro de Sevilha – a história contada e cantada da Ópera a Inútil Precaução conta a história do Conde de Almaviva que se apaixonou por Rosina em Madri, onde a viu pela primeira vez no Passeio do Prado e as suas tentativas de aproximação. As primeiras falharam, pois o tutor da jovem – o Doutor Bartolo – ao notar as manobras do Conde, muda-se com ela para Sevilha, onde se passa a história.
O programa contempla a criação de espetáculos baseados em óperas famosas, cujo conteúdo é um texto teatral que aborda uma visão pouco convencional do libreto – texto dramatúrgico da ópera – baseado na história original. A direção do espetáculo é assinada por Cleber Papa, a direção artística de Rosana Caramaschi e o responsável pela direção musical é Luís Gustavo Petri.

Leite de vaca é o maior vilão das alergias alimentares

Alergia alimentar é uma reação adversa provocada pelo alimento em um indivíduo com suscetibilidade a essa condição. Sua real incidência e prevalência não são muito bem conhecidas em função das diferenças nos diagnósticos, com mais frequência na infância. De 3% a 5% das crianças são acometidas por um quadro de alergia alimentar, enquanto nos adultos varia entre 2% e 3%.

"Um dos fatores que pode ser responsável pelo surgimento de alergia alimentar no primeiro ano de vida relaciona-se a elevada velocidade de desenvolvimento do maturação no sistema imunológico do intestino", avalia o dr. Mauro Batista de Morais, pediatra e presidente do departamento de gastroenterologia da Sociedade de Pediatria de São Paulo (SPSP). Com o passar do tempo, o indivíduo que apresenta alergia a determinado alimento pode desenvolver tolerância e não apresentar mais reação.

Principais alimentos e sintomas – Os alimentos que com maior frequência determinam o desenvolvimento de alergia alimentar são: leite de vaca, clara de ovo, frutos do mar, nozes, castanhas e amendoins, soja, e todos que contenham proteínas com potencial de provocar reação envolvendo o sistema imunológico intestinal. A cada novo contato, a pessoa reage da mesma forma.

"Em bebês até um ano, a alergia mais comum é à proteína do leite de vaca (APLV). Isso ocorre principalmente quando ele deixa de ingerir leite materno e passa a tomar o de vaca", comenta dr. Mauro.

Os sintomas são variados e se apresentam no sistema digestivo e na pele. As manifestações digestivas mais comuns são os vômitos, irritabilidade, choro contínuo, cólica, dificuldade de alimentação, refluxo, diarreia crônica, diarreia com sangue e constipação intestinal.

"É difícil para o médico definir o que é sinal de alergia ou de outras causas. Por exemplo, cólica pode ter relação com alergia; entretanto, na maioria das vezes, não tem qualquer ligação. O mesmo pode acontecer na pele.", afirma o pediatra.

Tratamento – O único tratamento aceitável é a exclusão completa da proteína na dieta da pessoa. A alergia alimentar, na maior parte dos casos, ocorre com um único alimento. Existem casos de alergias múltiplas, no entanto, são mais raros.

Para o bebezinho que toma mamadeira e apresenta APLV não é tão simples assim. É necessário encontrar fórmulas especiais para suprir as necessidades nutricionais, com pequenos peptídeos (proteína extensamente hidrolisada) e aminoácidos que impedem a manifestação do quadro alérgico. As fórmulas de soja não são recomendadas para os menores de seis meses.

Atualmente não existem testes diagnósticos para alergia alimentar, especialmente a APLV. "É importante que as pessoas consultem o pediatra para verificar se realmente aquele quadro clínico é compatível com APLV. Neste caso, o Pediatra define a melhor conduta em termos de alimentação e planeja com estabelecer o diagnóstico", conclui dr. Mauro.

Os CAPS e a humanização do tratamento psiquiátrico, por Graziella Ribeiro

Refletindo sobre os pacientes que realizam acompanhamento nos diferentes serviços de saúde mental, nos deparamos ainda com inúmeros problemas a serem trabalhados e vencidos. A evolução histórica da psiquiatria e da sociedade possibilita percebermos a pessoa em sofrimento psíquico em diferentes contextos sociais e familiares dentro da assistência integral a este ser, mesmo que amparados pela Reforma Psiquiátrica Brasileira. A reflexão sobre a psiquiatria leva-nos a pensar que esta é uma área na qual algumas pessoas comportam-se de um jeito bizarro e, às vezes nos assustam pela maneira como falam coisas desconexas e incoerentes. Podem ser incapazes de usar discernimento ou serem perseguidas por suas vozes. Conviver com pessoas que apresentam este comportamento não é fácil, principalmente quando manifestam atitudes agressivas e delirantes.

A doença mental por longo tempo foi caracterizada como uma falha que a pessoa apresentava em seu comportamento diante da sociedade, estando assim fora das expectativas esperadas para o convívio social. Inicialmente, pensava-se que as doenças mentais eram causadas por maus espíritos, magias ou por doenças físicas responsáveis por alterações na mente, observadas exclusivamente como fenômenos psicológicos e tendo suas causas desconhecidas. Embora considerada parte da Medicina e da Enfermagem, a psiquiatria era mantida de lado, deixando muitos doentes ao cuidado asilar, o qual estava fundamentado em princípios de vigilância e punição. A psiquiatria não visava à cura, mas manter os pacientes reclusos em manicômios isolados do mundo e de seu cotidiano.

No decorrer da história, grandes estudiosos deram suas contribuições à psiquiatria, porém, à medida que a ciência progredia, o corpo humano foi se revelando como uma verdadeira máquina constituída de partes separadas e que funcionava mecanicamente. Essa visão levou-nos a aceitar o nosso corpo dissociado da mente, permitindo desta forma que muitos equívocos ocorressem. Na ótica desse modelo, prevalece o fenômeno do adoecimento mental, que focaliza os sintomas, conflitos, problemas na comunicação e nas relações interpessoais. Esse contexto favoreceu o alicerce conceitual da ciência biomédica, ou seja, centrado na doença e desviado do ser humano na sua totalidade.

Lembramos também que os profissionais de saúde trabalham de maneira dicotômica, ou seja, mesmo com a legislação vigente e os progressos terapêuticos realizam uma assistência rígida e focada no transtorno mental, esquecendo a integridade e o contexto no qual o paciente está inserido. Imbuídos por hábitos construídos em tempos nos quais a melhora do paciente em sofrimento psíquico estava na negação da sua autonomia encontram dificuldades em dialogar com outros saberes, não percebendo a multidimensionalidade do ser humano no seu meio ambiente e na sua inserção familiar. Convivendo com pessoas em sofrimento psíquico verificamos o sucateamento que persevera na psiquiatria em algumas instituições, mesmo que a política de saúde mental existente no Brasil busque a descentralização, a desinstitucionalização e a ressocialização desse indivíduo.

Até a década de 70 do século passado, o sofredor psíquico foi rotulado como louco, agressivo e incapaz de conviver em sociedade. Em conseqüência disso, quando necessitava de cuidados, era encaminhado à internação hospitalar. Isso acontecia porque o modelo vigente de tratamento nesse período era realizado exclusivamente no hospital, sem a participação da família e da sociedade que não estavam inseridas no tratamento e na manutenção da saúde mental. Os familiares, por descaso ou falta de suporte profissional e social, abandonavam seus entes na instituição. Com o passar do tempo, houve uma superlotação em vários hospitais psiquiátricos, levando os pacientes a dormirem onde encontrassem um lugar para deitar, sendo muitas vezes em condições inadequadas, precárias. No Brasil, no final da década de 70, esse modelo de assistência à saúde mental fundamentado na exclusão do ser humano do convívio social já apresentava sinais de esgotamento. Nesse sentido, faz-se necessário lembrarmos que os seres humanos são seres sociais e vivem o ser cotidiano em contínuas experiências individuais intransferíveis com o ser de outros. O que nos faz seres humanos é a maneira particular de vivermos juntos e sermos indivíduos, pessoas, somente enquanto somos seres sociais na linguagem.

A ação consistia numa desospitalização com fechamento gradativo dos hospitais psiquiátricos e a construção de serviços alternativos nos municípios e regiões. Entretanto, foi somente após dez anos que a Lei nº 10.216 proposta pelo Deputado Paulo Delgado foi sancionada pelo Presidente da República em 06 de abril de 2001. Essa lei dispõe sobre a proteção e os direitos dos portadores de doença mental, redireciona o modelo assistencial em saúde mental não centrado no hospital psiquiátrico e também não permite a construção de novos hospitais. Para tanto, propunha a extinção progressiva dos manicômios e sua substituição por instituições abertas, tais como: Unidades de Saúde Mental em Hospital Geral, Emergência Psiquiátrica em Pronto-Socorro Geral, Unidade de Atenção Intensiva em Saúde Mental em regime de Hospital-Dia, Centro de Atenção Psicossocial (CAPS), Núcleos de Atenção Psicossociais (NAPS) que funcionariam por vinte e quatro horas, pensões protegidas, lares abrigados, centros de convivência, cooperativas de trabalho e outros serviços que preservem a integridade do cidadão.

E, assim, surgem os CAPS que, como o nosso, atende essa demanda que surgiu após a desospitalização, trazendo melhorias psíquicas, cognitivas, sociais, laborais e humanas para esse pacientes, que antes eram os excluídos, marginalizados. Os progressos que acompanhamos diariamente são excepcionais, benefícios esses que nunca poderão ser atingidos somente com medicação ou hospitalização.

Graziella P. C. Ribeiro, psiquiatra do CAPS I de Jales

O amor é a própria vida, por Adelvair David

 
Quando Jesus falou do amor, fez vibrar toda vida no planeta e os corações ébrios de esperança se regozijaram com a boa nova.
Muito se pode falar a respeito deste sentimento, que com Jesus, ficou resumido no: "amai-vos uns aos outros como eu vos amei". Ele deu como parâmetro para o seu exercício a Sua própria vida, onde não paira qualquer dúvida quanto ao seu significado.
Por amor, os mártires do passado descerram aos circos da dor para testemunhar cantando o amor a Deus e ao Mestre venerando de todos os corações.
Este amor, do qual Ele nos falou, pode ser desenvolvido, e nem mesmo os corações mais duros estão imunes dobrando-se diante dos seus efeitos. Aquele que deseja conquistá-lo deve propor a si mesmo viver como Ele ensinou, tendo como base um dos eixos da mensagem cantada pelos seus lábios e vivida até fisicamente pelo Senhor, que é: "reconcilia-te com o teu inimigo enquanto estás a caminho por ele". Manter espírito de concórdia, usando moderação, caridade e prudência na convivência. É importante dizer-se o que se deseja da vida, porém, sem ferir aqueles que não pensam da mesma forma; deve-se ser caridoso, aceitando a todos como são, porém, sendo prudente de não adotar comportamentos e procedimentos que contrariem a verdadeira dignidade, em qualquer situação.
O amor, quando vivido como propôs Jesus, entranha-se na alma e se torna parte dela, promovendo toda a vida.
Ele modificará para sempre os destinos daquele que o possuir, transbordando da alma, e derramando-se pelo corpo e pela vida a seu redor, distribuindo frutos de bondade e realizações nobres. Pode-se observar tal efeito nas belas almas que estão e estiveram na terra e deixaram tanta alegria nos corações com obras inesquecíveis para a humanidade, ou no anonimato, no coração daqueles que lhe compartilham a vida mais próxima, oferecendo o perfume da brandura, da esperança e da paz.

AMEMOS, POIS O AMOR É A PRÓPRIA VIDA

A pedido do MPF em Jales, Justiça condena três pessoas por tráfico internacional de drogas

A Justiça Federal em Jales, no interior de São Paulo, condenou três pessoas a penas individuais de 4 anos e oito meses de prisão e multa de aproximadamente 15 salários mínimos por tráfico internacional de drogas. Jean Kleber Mota Lara, Muller José Alves de Campos e Uilian Esteves foram detidos em agosto de 2014 após a polícia interceptar um veículo carregado de maconha e haxixe na rodovia José Valter Vazarim, entre os municípios de Fátima Paulista e Turmalina. A carga vinha do Paraguai. Os réus continuam presos e não poderão recorrer em liberdade.

Dias antes da operação policial, os criminosos foram à cidade paraguaia de Pedro Juan Caballero para trocar um automóvel de luxo pelo carregamento. Após a transação, eles voltaram em dois carros, um deles guiado por Uilian, que intermediou a aquisição da droga e atuou como batedor do grupo. A estratégia, no entanto, não foi suficiente para impedir a interceptação. No veículo que trazia a carga, as autoridades localizaram 70,2 quilos de maconha e 2,4 quilos de haxixe. Horas depois, os policiais encontraram outros 900 gramas de maconha na casa de Muller.

Esta não foi a primeira vez que os réus Jean e Uilian se envolveram em tráfico internacional. Em depoimento, Jean admitira já ter adquirido drogas no Paraguai em outras três oportunidades, em negociações com um comerciante que conhecera por intermédio de Uilian.

Recurso - O MPF apresentou razões de apelação para que a pena dos três réus seja aumentada. No recurso, a Procuradoria da República requer que a Justiça reconheça o concurso material na prática dos delitos, ou seja, que a condenação seja calculada com base na sucessão de condutas ilícitas, e não na consumação de um único crime. Além disso, o MPF pede que a Justiça reconheça a associação de dois dos condenados para o tráfico internacional de drogas, crime passível de pena que varia de três a 10 anos de prisão. Por fim, o MPF quer que Jean tenha seu cargo público cassado. Ele é auxiliar administrativo na Prefeitura de Ouroeste desde 2006.

Polícias civil e militar de Urânia e Jales prendem traficantes

Na tarde desta quinta-feira, 2 de julho, as policias civil e militar, receberam uma denúncia de tráfico de drogas em uma residência na rua Alagoas, onde em diligência até o local com apoio de uma viatura da Polícia Militar de Jales, abordaram três indivíduos que haviam comprado drogas no referido local.
Adentrando à residência, os policiais flagraram mais três pessoas, sendo duas maiores de idade e uma menor. Foram apreendidos com eles aproximadamente 500 gr de crack, uma trouxa de maconha, três celulares, aproximadamente R$ 400,00 em dinheiro e uma balança de precisão para pesar a droga.
As seis pessoas foram encaminhadas ao DP para as providências. Três dos que foram apreendidos foram ouvidos e liberados. A menor foi entregue aos pais. O homem e a mulher foram presos por tráfico de drogas. Um homem foi encaminhado à Cadeia Pública de Jales e a mulher encaminhada a Cadeia Pública de Nhandeara e estão à disposição da Justiça.

Editais de Proclamas

Rosimeire Ensides Tomazeli, Oficial Interina do Registro Civil das Pessoas Naturais e de Interdições e Tutelas da Sede da Comarca de Jales, Estado de São Paulo. FAZ SABER que pretendem casar-se e apresentaram os documentos exigidos pelo artigo 1.525 do Código Civil Brasileiro.
BRUNO MOTA RODRIGUES FERNANDES e DÉBORA GAMBERO FRANCISCO. ELE, natural de Jales, deste Estado, nascido aos 07 de julho de 1.989, arquiteto, solteiro, residente e domiciliado nesta Cidade, filho de Marco Antonio Rodrigues Fernandes e de Ednéia Caetano Mota Fernandes. ELA, natural de Jales, deste Estado, nascida aos 11 de janeiro de 1.991, administradora de empresas, solteira, residente e domiciliada nesta Cidade, filha de Devair Francisco e de Solange Gambero Francisco
ABRAÃO RAFAEL e ROSINEI ELISABETI PASCUI. ELE, natural de Jales, deste Estado, nascido aos 14 de outubro de 1.967, motorista, solteiro, residente e domiciliado nesta Cidade, filho de Antonio Rafael e de Olinda Fernandes Rafael. ELA, natural de Alto Paraná, Estado de Paraná, nascida aos 12 de janeiro de 1.970, secretária, solteira, residente e domiciliada nesta Cidade, filha de Paulo Pascui e de Julia Romão Pascui.
ALEXANDRE MAGI DA SILVA e EDNA BATISTA. ELE, natural de Aparecida D’Oeste, deste Estado, nascido aos 21 de fevereiro de 1.978, agente funerário, divorciado, residente e domiciliado nesta Cidade, filho de Justiniano Raimundo da Silva e de Luisa Magi da Silva. ELA, natural de Fernandópolis, deste Estado, nascida aos 11 de março de 1.970, costureira, divorciada, residente e domiciliada nesta Cidade, filha de Natanael Batista e de Maria Portera Batista.
EDNÉRITO RODRIGO SACIENTI e JACIANE QUEIROZ SANTOS. ELE, natural de Jales, deste Estado, nascido aos 22 de agosto de 1.979, vendedor, solteiro, residente e domiciliado nesta Cidade, filho de José Aparecido Sacienti e de Iraci Terezinha dos Santos Sacienti. ELA, natural de Junqueiro, Estado de Alagoas, nascida aos 29 de julho de 1.984, estudante, solteira, residente e domiciliada nesta Cidade, filha de José Raimundo da Silva Santos e de Rosineide Queiroz Santos.
ANDRÉ LUIS LINHARES BOAVENTURA e CRISTIANE DIOMARI CASTILHO ZACARIAS. ELE, natural de Belo Horizonte, Estado de Minas Gerais, nascido aos 13 de março de 1.981, administrador, solteiro, residente e domiciliado nesta Cidade, filho de Sebastião de Castro Boaventura e de Neide Linhares Boaventura. ELA, natural de Jales, deste Estado, nascida aos 26 de outubro de 1.987, engenheira civil, solteira, residente e domiciliada nesta Cidade, filha de Jediel Zacarias e de Sonia Castilho Zacarias.
JOSÉ HENRIQUE DOS SANTOS BERNARDO e LARISSA DANTAS NERIS BARBOZA. ELE, natural de Jales, deste Estado, nascido aos 21 de setembro de 1.995, vendedor, solteiro, residente e domiciliado nesta Cidade, filho de Sidnei Donizet Bernardo e de Valdete Lucia dos Santos Bernardo. ELA, natural de Jales, deste Estado, nascida aos 08 de abril de 1.995, secretária, solteira, residente e domiciliada nesta Cidade, filha de Cleber Neris Barboza e de Teresa da Costa Dantas Barboza. GILSON DOS SANTOS SAMPAIO e SUZANETE DA SILVA SCATENA. ELE, natural de Fernandópolis, deste Estado, nascido aos 12 de outubro de 1.975, analista administrativo, solteiro, residente e domiciliado nesta Cidade, filho de Luiz dos Santos Sampaio. ELA, natural de Jales, deste Estado, nascida aos 14 de outubro de 1.976, recepcionista, divorciada, residente e domiciliada nesta Cidade, filha de Vicente Scatena Nato e de Diomar Rosa da Silva Scatena.
EVERTON LOPES PEREIRA e JÉSSICA APARECIDA DA SILVA LUCIO. ELE, natural de Mauá, deste Estado, nascido aos 16 de novembro de 1.985, supervisor de vendas, solteiro, residente e domiciliado nesta Cidade, filho de Claudio Pereira e de Maria de Fatima Lopes Pereira. ELA, natural de Mauá, deste Estado, nascida aos 29 de julho de 1.990, vendedora, solteira, residente e domiciliada nesta Cidade, filha de Valdir Lucio e de Silvana Aparecida Pereira da Silva Lucio.
NATANAEL LIBONI e IZILDINHA APARECIDA QUIERICO. ELE, natural de Araçatuba, deste Estado, nascido aos 20 de outubro de 1.976, empresário, solteiro, residente e domiciliado nesta Cidade, filho de Nelson Liboni e de Alice Pereira Liboni. ELA, natural de Palmares Paulista, deste Estado, nascida aos 17 de maio de 1.959, escriturária, divorciada, residente e domiciliada nesta Cidade, filha de Luiz Quierico Filho e de Eliza Molina Quierico.
GILBERTO OSCAR SQUIAVENATI e MARIA APARECIDA IDALGO. ELE, natural de Jales, deste Estado, nascido aos 18 de fevereiro de 1.964, pedreiro, solteiro, residente e domiciliado nesta Cidade, filho de Erzidio Esquiavenati e de Teresinha Costa Lima Squiavenati. ELA, natural de Palmeira D’Oeste, deste Estado, nascida aos 25 de abril de 1.964, do lar, solteira, residente e domiciliada nesta Cidade, filha de Bernardo Idalgo e de Antonia Rodrigues Garcia Idalgo.
IGOR ANTONIO PERES e ELLEN DA SILVA DELEGÁ. ELE, natural de Jales, deste Estado, nascido aos 30 de junho de 1.996, desinsetizador, solteiro, residente e domiciliado nesta Cidade, filho de Orides Peres e de Lucinda Pereira da Cunha Peres. ELA, natural de Jales, deste Estado, nascida aos 06 de maio de 1.997, estudante, solteira, residente e domiciliada nesta Cidade, filha de Paulo Delegá e de Rosangela Vieira da Silva.
EDUARDO DOS SANTOS PAIXÃO e VANESSA SIMEI MARTINS. ELE, natural de São Paulo, deste Estado, nascido aos 08 de maio de 1.981, contador, solteiro, residente e domiciliado nesta Cidade, filho de Nelson dos Santos Paixão e de Maria Inez Salgado Paixão. ELA, natural de Jales, deste Estado, nascida aos 01 de março de 1.988, bióloga, solteira, residente e domiciliada nesta Cidade, filha de Marcio de Oliveira Martins e de Durcelina Simei Martins.
RONEI JOSÉ GOMES e LUANA LORRANA PRADO. ELE, natural de Jales, deste Estado, nascido aos 27 de dezembro de 1.989, vendedor, solteiro, residente e domiciliado nesta Cidade, filho de Edson dos Santos Gomes e de Matildes Alvês dos Santos. ELA, natural de Paranavaí, Estado de Paraná, nascida aos 30 de junho de 1.992, vendedora, solteira, residente e domiciliada nesta Cidade, filha de José Prado e de Maria Jose Pereira Prado.
HID MIGUEL JUNIOR e SABRINA FERNANDES FERREIRA. ELE, natural de São Paulo (Subd. Bela Vista), deste Estado, nascido aos 21 de maio de 1.971, cirurgião dentista, divorciado, residente e domiciliado nesta Cidade, filho de Hid Miguel e de Dirce da Freiria Miguel ELA, natural de Uberlândia, Estado Minas Gerais, nascida aos 14 de julho de 1.982, servidora pública estadual, solteira, residente e domiciliada nesta Cidade, filha de Valdeirê Alves Ferreira e de Maria Inez Fernandes Ferreira.
PAULO CESAR ALBANEZ DA SILVA e STEPHANIE ALVES SOUSA SILVA. ELE, natural de Jales, deste Estado, nascido aos 21 de abril de 1.994, borracheiro, solteiro, residente e domiciliado nesta Cidade, filho de Paulo Sergio da Silva e de Sonia Natalina de Souza Albanez. ELA, natural de São Paulo, deste Estado, nascida aos 02 de outubro de 1.995, do lar, solteira, residente e domiciliada nesta Cidade, filha de Milton Silva e de Fabiana Alves de Sousa.

 
SE ALGUÉM SOUBER DE ALGUM IMPEDIMENTO OPONHA-O NA FORMA DA LEI. LAVRO OS PRESENTES PARA SEREM AFIXADOS NO REGISTRO CIVIL E PUBLICADOS NA FOLHA NOROESTE, NESTA CIDADE DE JALES.
Rosimeire Ensides Tomazeli – Oficial Interina
 




Cras de Urânia e projeto “Sonho Meu” promovem festa junina para crianças e adolescentes


Com o objetivo de resgatar as tradições juninas e promover a integração entre alunos, na terça-feira, 30 de Junho de 2015, o Centro de Referencia da Assistência Social - CRAS de Urânia com o apoio da administração municipal, juntamente com a equipe do Projeto "Sonho Meu" realizou a festa junina para o grupo de crianças de 7 a 17 anos no Centro de Lazer de Urânia.
Com diversas atrações, entre elas, danças e brincadeiras – como o rabo do burro, pescaria, jogo de argolas, dança da cadeira – , além das comidas – como pipoca, amendoim, doces típicos e diversos bolos – e bebidas típicas da tradicional festa junina como achocolatado.
Houve grande distribuição de brindes, O Cras, segundo a sua equipe, tem a satisfação em estar colaborando com momentos de descontração e alegrias.

O Papa na América Latina, por D. Demétrio Valentini

 
Neste domingo o Papa inicia sua viagem pela América Latina. Passará pelo Equador, pela Bolívia e pelo Paraguai.
Com tantos países desejando contar com a presença do Papa Francisco, necessita explicação a escolha destes três países.
É característica deste papa ressaltar o simbolismo daquilo que ele faz ou deixa de fazer. Também suas viagens se inscrevem nesta intenção de universalizar os seus gestos, destacando o significado de suas iniciativas.
Neste contexto, parece evidente que o Papa fez uma escolha proposital. Ele privilegiou os três países mais pobres da América Latina. Outras visitas ficam para depois.
"Primeiro os pobres"! Este o recado que logo deixa para a política, para a economia, e para a Igreja também.
Mais que geograficamente, esta viagem se situa na sequência da definição de um surpreendente pontificado.
Lembramos a primeira de todas as viagens do Papa Francisco, poucos meses depois de eleito. Foi o memorável encontro mundial da juventude, no Rio de Janeiro. Aquela viagem já estava agendada, por Bento 16, e precisou ser assumida pelo novo papa, como primeiro grande desafio para a sua missão de "bispo de Roma", como ele insistia em se identificar. Superou o teste, surpreendendo a todos pela sua simplicidade, e ao mesmo tempo pela desenvoltura ao enfrentar os variados compromissos que tinham sido colocados em sua agenda.
Depois do Rio, todos esperavam por Buenos Aires, imaginando que o Papa retornasse ao seu país, de onde tinha saído como Cardeal, e não tinha mais voltado para casa.
Mas, não! Até hoje não está marcada a viagem para o seu país, a Argentina. Ele deixa bem claro que a prioridade absoluta é cumprir sua missão, relativizando seu compreensível desejo de se reencontrar com seus compatriotas. Tanto mais eles o receberão com respeito e admiração, que ele decidir visitar seu país, não mais como Cardeal, mas como Papa.
Voltando agora para a viagem desta semana, percebemos uma agenda muito carregada de compromissos, que se refletem nos mais de vinte pronunciamentos já marcados. Repartidos de tal modo que sejam destinados aos interlocutores diretos que ele terá pela frente, e ao mesmo tempo válidos para os três países visitados, para os outros países da América Latina, e afinal para toda a Igreja.
Entre os diversos encontros já previstos, alguns se destacam, pela evidente intenção de ampliar seus destinatários.
Na Bolívia, por exemplo, o Papa terá um encontro com os diversos movimentos sociais, dando seguimento ao encontro já realizado em Roma, tempos atrás, com alguns representantes desses movimentos, que pela primeira vez recebiam um apoio tão explícito da parte da Igreja. Desta vez, na Bolívia, a presença será certamente muito mais ampla.
Diante da crescente autoridade moral do Papa Francisco, o mundo acompanhará com muito interesse os passos que o levarão nesta semana ao encontro dos povos do Equador, da Bolívia e do Paraguai.
Desde a noite em que apareceu como novo Papa na sacada da Basílica de São Pedro, ele continua pedindo orações. Que Deus o acompanhe nesta viagem, e que suas mensagens sejam bem acolhidas por todos!

Urânia realizou conferência municipal da pessoa idosa


O Conselho Municipal do Idoso de Urânia - SP, em parceria com a Secretaria Municipal da Assistência Social ( Órgão Gestor), Centro de Referência da Assistência Social- CRAS de Urânia, Lar dos Velhinhos São Vicente de Paula e Pastoral da Igreja, realizou na sexta-feira, 26 de junho, a 1ª Conferência Municipal da Pessoa Idosa. E teve como tema o Protagonismo e Empoderamento da Pessoa Idosa por um Brasil de todas as Idades.
O objetivo da conferência é propiciar a reflexão e discussão sobre o protagonismo e o empoderamento às consequências nas transformações sociais, como estratégia na garantia dos direitos da pessoa idosa, enfatizando sempre que a pessoa idosa seja o protagonista na efetivação dos seus direitos com o objetivo de romper com o preconceito de que o idoso é inativo ou incapaz e também promover o debate do tema acima com os seguintes eixos: gestão, financiamento e participação.
Estiveram presentes o prefeito Francisco Airton Saracuza, o presidente do Poder Legislativo Odair Bezerra Dias (Fião), o vereador Donizeti Mussato, a presidenta do Conselho Municipal do Idoso, Vera Lucia Ferreira.
A Conferência foi conduzida pelos assistentes sociais municipais Izenir Fatima Lima Souza Gavioli e Luiz Henrique Messias. Nesta conferência foi escolhido dois delegados: um do poder público outro sociedade civil para representar o município de Urânia.
O Conselho Municipal do Idoso, integrado por representantes da secretaria Municipal de Assistência Social e de organizações da sociedade civil tem como função, articular projetos e atividades que possam contribuir para a solução de problemas que afetam essa parcela da população.
Sua finalidade é articular, mobilizar, estimular, apoiar e deliberar sobre questões relativas à Política do Idoso em todas as suas instâncias e em consonância com a Política Nacional do Idoso.
Entre suas atribuições incluem-se ainda: a organização de campanhas de conscientização e programas educativos com vistas à valorização dos idosos, a mobilização das comunidades interessadas na problemática dos idosos, e o incentivo ao desenvolvimento de projetos que incrementem a participação dos idosos nos diversos setores da atividade social.

Chico Xavier


PERGUNTA - Qual é o verdadeiro caminho, que nos levará rumo a Deus?

CHICO XAVIER - A regra áurea, há séculos, nos traça o roteiro: "Faze aos outros o que deseja que te façam". E o Cristo lança mais luz sobre a diretriz de todos os tempos: "Amai-vos uns aos outros como eu vos amei".
 
Esta coluna tem o patrocínio e responsabilidade da
 Associação Espírita “Chico Xavier” de Jales.

 

Empresa fabricante de derivados de carne instala-se em Jales

Trata-se da Alles Indústria e Comercio de Carnes e Derivados Ltda, com sede na cidade de Dois Irmãos (RS) sendo que em Jales irá produzir hambúrguer, almôndegas e embutidos A empresa vai ocupar as instalações onde funcionou o Frigorífico Jales.
Na manhã desta quinta-feira, 2 de julho, o prefeito Pedro Callado visitou as futurasiinstalações da empresa, sendo recebido pelo diretor José Claudemir Alles e sua filha Priscilla Alles, diretora financeira. O ex-proprietário do Frigorífico Jales, Manolo Rodrigues Outumuro estava presente.
Alles explicou que a vinda de sua empresa para Jales é, principalmente, pela privilegiada posição geográfica da região, pela rodovia duplicada e ferrovia que permite o acesso a São Paulo, Santos e Rio de Janeiro.
O prédio está sendo reformado, recebendo pintura nova e os equipamentos industriais, adquiridos no exterior, estão sendo instalados. As autorizações mde funcionamento estão em andamento junto aos órgãos fiscalizadores.
O prefeito Pedro Callado agradeceu o empresário gaúcho pela sua decisão de investir em Jales, criar novos empregos e participar do nosso desenvolvimento, colocando a prefeitura à disposição em tudo que tiver ao seu alcance. Também agradeceu Manolo por ter cedido através de arrendamento, as instalações do frigorífico, fato que permitiu a viabilização do empreendimento.
"Vamos continuar trabalhando e apoiando iniciativas que tragam novas empresas, gerando empregos e renda para o município. Que seja bem-vinda a Jales a empresa Alles e seus diretores.", ressaltou Pedro Callado.

Agradecimento

 
Ainda tomado pela dor e tristeza, mas oportuno, quero em nome de toda a minha família registrar o nosso mais profundo agradecimento aos médicos, em especial a Drª. Emico e demais funcionários da Santa Casa de Jales, pela atenção e cuidados à minha esposa Sidnea.
Ela adorava seu trabalho e muitas foram as alegrias, realizações, enquanto Enfermeira nesse hospital.
Embora seja muito difícil suportar a dor de sua ausência, é reconfortante saber que temos o apoio da equipe Santa Casa. Quero agradecer a cada um que esteve ao nosso lado, oferecendo forças, palavras de carinho e nos fortalecendo.
Aqui, fica o meu abraço e das minhas filhas, para cada colaborador desse hospital. SIDNEA se foi, mas suas ações ficarão para sempre em nossos corações.
Alceu Momii, Carla e Flávia


Arroz e feijão, por Reginaldo Villazón

Para os brasileiros de todas as regiões e classes sociais, o cardápio básico de arroz e feijão nas principais refeições é uma tradição prestigiada. Em todas as estações do ano, donas de casa e cozinheiros sabem como preparar o arroz e feijão – leve ou suculento – ideal para atender o prazer e a necessidade da ocasião. O arroz, com adição de temperos e ingredientes corretos, transforma-se numa iguaria. O feijão permite maiores ousadias, dos temperos que destacam o sabor do caldo até o irresistível tutu.

Houve época em que o arroz e feijão era comida popular dos brasileiros, apartada da culinária refinada, desmerecida. A marmita dos operários – arroz, feijão, alface e ovo – era motivo de piada. O último a cometer um sério deslize contra o arroz e feijão foi um ministro da agricultura, na década de 1990. Ele declarou que os brasileiros tinham que deixar de comer feijão, um alimento ultrapassado que consumia muita energia no preparo. Ninguém lhe deu atenção e todos continuaram a comer o arroz e feijão.

O tempo passou. Para surpresa nacional, chegaram notícias de pesquisas internacionais sobre qualidade de alimentação. A dieta brasileira de arroz e feijão ganhou destaque com elogios. O casamento destes alimentos mostrou-se perfeito por se completarem em elementos nutritivos. E não favoreceu a obesidade. Dali em diante, a qualidade deles não parou de crescer. Os pesquisadores criaram variedades de feijão com propriedades superiores. A oferta de arroz integral ganhou espaço nas prateleiras dos supermercados.

Os historiadores não se arriscam em dizer quando os brasileiros começaram a consumir o arroz e feijão (ambos, na mesma refeição). Mas nós não fomos os únicos na arte de casar os dois alimentos. O feijão cozido numa panela e acrescentado do arroz cru – para juntos chegarem ao cozimento final – é um prato estimado em países da América Central. É algo parecido com aquele prato popular, originado no Ceará, que ganhou fama com a música do pernambucano Luiz Gonzaga e do cearense Humberto Teixeira: "Baião de Dois".

O arroz e o feijão tiveram origens diferentes, mas se disseminaram e se tornaram conhecidos no mundo. Registros científicos apontam para origem do arroz há mais de dez mil anos na Ásia. Os árabes levaram o arroz à Europa. Espanhóis e portugueses contribuíram para seu cultivo na América. O feijão teve origem há dez mil anos na América do Sul. Foi cultivado e levado para o México. Mais tarde, no Egito e na Grécia, foi cultivado e consumido. As guerras e os viajantes ajudaram a sua difusão no mundo.

Hoje, cozinheiros mundo afora são hábeis no preparo de receitas de arroz e de feijão. Mas o encontro do arroz com o feijão no mesmo prato é uma feliz combinação que garante sabor e nutrição. Além disso, são companhias perfeitas para outros bons alimentos. (Quem pensou em couve refogada com ovos?). Arroz e feijão, juntos, fornecem metionina e lisina (eficientes no reparo do organismo), vitaminas, minerais e carboidratos. E não provocam altas taxas de açúcar e insulina na circulação. Isto é bom. Sem exagero, não há culpa.

Tiquinho e Callado se reuniram com moradores do CB “João Batista Colodetti”

O presidente da Mesa Diretora da Câmara Municipal de Jales, vereador Nivaldo Batista de Oliveira, o Tiquinho, esteve reunido na sexta-feira, 26 de junho, com o prefeito municipal Pedro Callado e moradores do Conjunto Habitacional "João Batista Colodetti".
O conjunto é fruto de convênio firmado em maio de 2008 entre a Prefeitura de Jales e o Ministério das Cidades para a construção de 120 casas populares em regime de mutirão . No entanto, apenas uma pequena parte das casas foi efetivamente construída, sendo que a maior parte delas foi ocupada pelos moradores que já haviam sido escolhidos para fazer parte do mutirão. Em 2012, cinco famílias ocuparam cinco casas e finalizaram sua construção por conta própria, sendo, que tempos depois, foram acionadas judicialmente para deixarem as casas.
A situação dos moradores foi esplanada na reunião de sexta-feira e o impasse, segundo Callado, já vem sendo discutido há tempos, inclusive com reuniões agendadas em Brasília para que o assunto seja solucionado o mais rápido possível. Esta semana o secretário municipal de Desenvolvimento e Promoção Social, Carlos Roberto Cardozo da Silva e o servidor municipal Aparecido Picolin estiveram novamente em Brasília com o intuito de discutir mais uma vez o processo.
Tiquinho, falou da importância de somar forças para alcançar um resultado efetivo. "Sabemos das necessidades destas famílias, tanto das cinco famílias que finalizaram as casas e se mudaram pra lá, quanto das demais que já haviam sido escolhidas, na época, pela administração. Estamos trabalhando pra que esse caso seja resolvido da melhor forma para todos", finalizou

Lições suíças, por José Renato Nalini

Estive durante alguns dias na Suíça, mais exatamente em St Moritz, participando de evento promovido pelo GCSM – Global Council of Sales Marketing, integrante do World Company Award. O objetivo do encontro foi motivar empresários estrangeiros a investir num Brasil tão necessitado de confiança.

Coube-me falar sobre a Justiça e, mais do que levar a experiência adquirida em quatro décadas de Magistratura Paulista, trouxe na bagagem lições que me serviram e me servirão bastante.

St Moritz é um burgo turístico encantador. Possui cinco mil habitantes que devem contar com infraestrutura suficiente para hospedar de 30 a 100 mil visitantes na temporada de inverno. Ali esquiam e praticam outros esportes de neve sofisticados turistas de todo o mundo.

A cidade faz por merecer. Cada cidadão se sente responsável pelo clima de receptividade. Todos são campeões de polidez e simpatia. Mais do que isso, consideram-se zeladores e guardadores de uma natureza esplendorosa.

Não há lixo, nem sujeira. Não há pichações. Nada é jogado à rua ou ao lago, cuja limpidez permite se enxergue o fundo, com seus peixes, suas pedras de várias tonalidades, sua vegetação exuberante. Cada fio d’água que desce as montanhas no degelo de verão é bem recebido e merece atenção permanente. Riachos e quedas d’água são amparadas por pedras, abundantes na região, a orientar caminhos e a direcioná-los todos ao enorme complexo lacustre que ornamenta a paisagem.

Não há matagal. Todos os espaços são preenchidos por flores. Lavandas, papoulas, margaridas, bocas-de-leão e outras espécies alpinas preenchem todos os espaços. Não há casa em que não haja um jardim bem cuidado e em cada janela vasos com amor-perfeito de todas as cores enfeita a cidade e é um eloquente voto de boas-vindas.

Soube que as crianças se encarregam do replantio e da manutenção de todas as áreas. Públicas ou não. É o sentido de pertencimento a uma comunidade que sobrevive da crescente visitação de seres humanos em busca de beleza, ordem e civilidadeOs policiais são poucos, mas muito respeitados. Mais do que isso, ganham o afeto da população. Todos os conhecem por nome. São amigos, são protetores. São os profissionais mais prestigiados da comunidade.

As crianças vão sozinhas para a escola e desde muito cedo. Vi garotas de cinco anos carregando suas mochilas e sorrindo felizes. Outras se utilizavam de patinete. Grupos sorridentes, com roupas coloridas e aquele pesado "armamento" com que se sobrecarrega qualquer criança em idade escolar, mas num clima de serena alegria.

Fomos recebidos pelo Prefeito local, Sigi Asprion, que nos recebeu à porta da Prefeitura. Conosco subiu as escadarias. Abriu as portas do seu gabinete. Acionou o sofisticado aparelho para a exibição de filmes institucionais. Serviu água e ofereceu um chaveiro com as insígnias da cidade cuja fundação se deve a São Maurício, daí o St Moritz – e tudo sem um auxiliar ou assessor. Que diferença do mundo menos desenvolvido, onde sobram funções estatais e as comitivas são numerosas, como se verifica a cada viagem oficial realizada por qualquer autoridade brasileira ao exterior.

Salário-mínimo de quase 3 mil francos suíços, mas quase todos percebendo mais do que isso. Boa receptividade, polidez, excelente trato. Clima de cortesia que não precisa de campanha institucional. Pouca necessidade de se recorrer ao Judiciário, reservado para as questões realmente complexas. Consciência cidadã de que um conglomerado humano só pode resultar da cooperação de todos, que ali só há lugar para quem está de bem com a vida e que os insuscetíveis de convívio harmônico devem procurar outras paragens.

Pode ser que nem tudo seja perfeito na Suíça. Mas a impressão que fica é a de que o estágio civilizatório garantiu excelente qualidade existencial numa paisagem privilegiada, sim. Exatamente como aquelas com que fomos brindados, mas que, ao contrário dos suíços, fazemos questão de degradar, de dizimar, de poluir e de sujar. Como se este não fosse o nosso País, nem este espaço a nossa casa. Quanto a aprender até nos tornarmos verdadeiros cidadãos do mundo!

*José Renato Nalini é presidente do Tribunal de Justiça de São Paulo