Páginas

sexta-feira, 5 de maio de 2017

Varejo do Estado de São Paulo extingue 4.068 postos de trabalho em fevereiro, aponta FecomercioSP

Segundo a Entidade, apesar do encolhimento no mês, perdas são menores do que as registradas em fevereiro do ano passado, quando 13.365 empregos foram eliminados
 
São Paulo, 05 de maio de 2017 - O comércio varejista do Estado de São Paulo segue enxugando seu quadro de funcionários neste começo de ano. Em fevereiro, foram eliminados 4.068 postos de trabalho, resultado de 68.182 admissões contra 72.250 desligamentos. Apesar deste ser o terceiro mês consecutivo de saldo negativo de empregos, a retração foi menor do que a registrada em fevereiro de 2016, quando 13.365 empregos foram extintos. Com o resultado, o varejo encerrou o mês com um estoque total de 2.062.463 trabalhadores, queda de 1,6% na comparação com fevereiro de 2016. No acumulado dos últimos 12 meses, foram extintos 34.125 empregos com carteira assinada.

Os dados compõem a Pesquisa de Emprego no Comércio Varejista do Estado de São Paulo (PESP), realizada mensalmente pela Federação do Comércio de Bens, Serviços e Turismo do Estado de São Paulo (FecomercioSP) com base nos dados do Ministério do Trabalho, por meio do Cadastro Geral de Empregados e Desempregados (Caged) e o impacto do seu resultado no estoque estabelecido de trabalhadores no Estado de São Paulo, calculado com base na Relação Anual de Informações Sociais (Rais).

De acordo com a assessoria econômica da FecomercioSP, o fechamento de postos de trabalho em ritmo cada vez menor indica que a crise no mercado de trabalho varejista pode estar próxima do fim. A grande perda de vagas dos últimos 18 meses mostra, segundo a Entidade, que chegou-se a um cenário de esgotamento da redução do quadro funcional dos estabelecimentos varejistas do Estado de São Paulo. Aliado a isso, uma maior estabilidade nas admissões demonstra que ao menos não há piora das expectativas empresariais sobre suas receitas futuras, já que o nível do emprego formal é bastante correlato ao desempenho recente e expectativa futura da receita de vendas das empresas.

Entre as nove atividades pesquisadas, apenas duas apresentaram crescimento no número total de empregos na comparação com o mesmo mês de 2016: farmácias e perfumarias (2,2%) e supermercados (1,2%). Por outro lado, os piores desempenhos foram registrados nos segmentos de concessionárias de veículos (-5,4%), lojas de móveis e decoração (-4,5%) e lojas de vestuário, tecidos e calçados (-4,4%).


Observando os dados por ocupações, as profissões com pior saldo de movimentação em fevereiro foram de vendedores e demonstradores (-1.480 vagas) e os caixas bilheteiros e afins (-1.184 vagas).

Segundo a FecomercioSP, é esperado que daqui para frente os resultados mensais oscilem bastante, com geração e perdas de vagas intercalando não uniformemente. Assim como se espera ainda um primeiro semestre no negativo, mantém-se a perspectiva de geração de vagas nos últimos seis meses de 2017, com o registro de saldos positivos mais consistentes já na transição para 2018. A Federação pondera ainda que tal cenário é dependente dos resultados práticos de inflação e juros mais baixos ao consumidor e no endividamento das famílias, passando por reação das vendas empresariais e, consequentemente, retomada de seus investimentos. É uma transição lenta e longa, mas já bastante factível.

Varejo paulistano
O comércio varejista da capital paulista seguiu a tendência estadual e eliminou 230 empregos formais em fevereiro, resultado de 21.061 admissões contra 21.291 desligamentos. No acumulado dos últimos 12 meses, foram extintos 8.728 postos de trabalho, o que levou a uma queda de 1,3% no estoque de trabalhadores, na comparação com fevereiro de 2016, que encerrou o mês com 645.082 trabalhadores.

Das nove atividades pesquisadas, apenas as de farmácias e perfumarias (3,4%) e os supermercados (1,3%) apresentaram crescimento no estoque de empregos na comparação com fevereiro de 2016. Já as maiores retrações foram registradas nas concessionárias de veículos (-5,1%), lojas de móveis e decoração (-4,6%) e materiais de construção (-4,2%).

Nota metodológica
A Pesquisa de Emprego no Comércio Varejista do Estado de São Paulo (PESP) analisa o nível de emprego do comércio varejista. O campo de atuação está estratificado em 16 regiões do Estado de São Paulo e nove atividades do varejo: autopeças e acessórios; concessionárias de veículos; farmácias e perfumarias; lojas de eletrodomésticos e eletrônicos e lojas de departamento; matérias de construção; lojas de móveis e decoração; lojas de vestuário, tecido e calçados; supermercado e outras atividades. As informações são extraídas dos registros do Ministério do Trabalho, por meio do Cadastro Geral de Empregados e Desempregados (Caged) e o impacto do seu resultado no estoque estabelecido de trabalhadores no Estado de São Paulo, com base na Relação Anual de Informações Sociais (Rais).

Sobre a FecomercioSP
A Federação do Comércio de Bens, Serviços e Turismo do Estado de São Paulo (FecomercioSP) é a principal entidade sindical paulista dos setores de comércio e serviços. Congrega 156 sindicatos patronais e administra, no Estado, o Serviço Social do Comércio (Sesc) e o Serviço Nacional de Aprendizagem Comercial (Senac). A Entidade representa um segmento da economia que mobiliza mais de 1,8 milhão de atividades empresariais de todos os portes. Esse universo responde por cerca de 30% do PIB paulista - e quase 10% do PIB brasileiro - gerando em torno de 10 milhões de empregos.

Nenhum comentário:

Postar um comentário