Páginas

sábado, 2 de julho de 2016

FOLHAGERAL

O governador

Geraldo Alckmin assinou, nesta quarta-feira (29 de junho), convênios com prefeituras para construção de 24.833 unidades habitacionais em 202 municípios do interior paulista, com investimentos de R$ 2,5 bilhões. Na data, a prefeitura de Santa Fé do Sul assinou um convênio para receber o benefício de mais 252 habitações através da CDHU. Governador Alckmin assina o convênio para a construção das casas no valor de 25 milhões. (foto Ciete Silverio)


Em Jales,
as famílias que esperam por uma casa popular – para ter moradia própria e fugir do aluguel – aguardam com ansiedade o anúncio das 400 novas unidades, cantadas em verso e prosa por políticos. O déficit habitacional penaliza mais quem ganha menos.


Na sessão
ordinária da Câmara Municipal de Jales, em 09 de maio, os vereadores Luís Fernando Rosalino, Pérola Maria Fonseca Cardoso, Fagner Amado Pelarini e Sérgio Yoshimi Nishimoto pediram informações ao prefeito Callado sobre as 400 casas populares, anunciadas um ano antes no próprio legislativo.


Quem
anunciou as casas populares deve vir explicar – àqueles que aguardam a construção das moradias – o que está acontecendo e o que é preciso fazer para dar continuidade ao plano. Afinal de contas, este é um assunto para ser tratado com muita seriedade.


O presidente
em exercício, Michel Temer, assinou nesta quarta-feira (29 de junho), em cerimônia no Palácio do Planalto, decreto que reajusta em 12,5% o benefício médio do Programa Bolsa Família. O índice aplicado está acima da inflação dos últimos 12 meses.

Os valores

do Programa foram revistos porque estavam há dois anos sem atualização e reduziam o poder de compra dos beneficiários. O decreto assinado prevê ainda a elevação dos valores que definem as linhas de "extrema pobreza" e "pobreza", que passam – respectivamente – de R$ 77 para R$ 85 e de R$ 154 para R$ 170 de renda per capita. Não deveria ser o inverso: quem está na extrema pobreza receber mais e aquele que está na pobreza receber menos.


Uma fonte
tucana disse que, num dia destes, o ex-vereador e pré-candidato pelo PV Riva Rodrigues esteve conversando longamente com o prefeito Pedro Callado. Assunto principal: as eleições de outubro. A fonte garantiu que os dois estiveram inteiramente de acordo quanto à necessidade de mudanças no atual momento político-administrativo.


O governo
do Estado repassou – entre janeiro e maio deste ano – para 24 municípios da região mais de R$ 16 milhões referentes ao IPVA.. Um desafogo.


Os cinco
maiores municípios da região, juntos, receberam mais de R$ 12 milhões. Jales recebeu o repasse de R$ 6.476.131,67. Valor suficiente para executar 190 mil metros quadrados de recape, sem necessidade de fazer o empréstimo que, no seu final (em 2.023), custará aos cofres municipais em torno de R$ 6,5 milhões.


Esse valor
repassado foi pago pelo donos de veículos automotores, que esperam ter as vias públicas sempre em bom estado de conservação. Mas ficam na ilusão, já que o dinheiro do IPVA não tem dotação específica para aplicação. O dinheiro é usado pelas prefeituras, por exemplo, para quitar dívidas. Isso já aconteceu este ano em Jales. Assim, o contribuinte do IPVA paga empréstimo e trafega por vias ruins, que exigem empréstimos.


Os vereadores
Gilberto Alexandre de Moraes, Jesus Martins Batista e Rivail Rodrigues Júnior, estão preocupados com a situação do revestimento asfáltico das vicinais "VictórioPrandi", "Katsuyoshi Nishimoto" (Estrada da Uva) e "Osório Donda" (Estrada do Café), já que a conservação está sob responsabilidade do município. Eles questionam o prefeito Pedro Callado sobre a situação precária das vicinais, bem como das estradas rurais do município.


Acreditou-se
que a presidente Dilma Rousseff, que em Jales recebeu ofício da então prefeita Nice Mistilides, solicitando a implantação de uma Universidade Federal no município, atenderia ao pedido. Dilma está afastada do cargo. Ninguém sabe se ela volta.


O deputado
federal Edinho Araújo (PMDB), que não teve uma votação excelente em Jales, como outros parlamentares tiveram, apresentou uma indicação à Presidência da República, criando em São José do Rio Preto a Universidade Federal do Noroeste Paulista.


Se Dilma
voltar ao poder, Jales pode ter chance de renovar sua reivindicação da Universidade. Mas se, como tudo indica, o presidente interino Michel Temer continuar no cargo, dificilmente vai deixar de preferir dar o prestígio ao seu amigo Edinho Araújo.


Lá no
botequim da vila, os analistas comentam que, se o pré-candidato Tiquinho não acelerar seu desejo de compor uma chapa majoritária ao Executivo, ficará à beira do caminho. Outro, que anseia compor uma chapa majoritária, é o vereador e pré-candidato Tiago Abra.


Os analistas
lá do botequim da vila andam jururus. Eles sabem que o eleitorado jalesense está descrente do ambiente político do município. Não enxergam, pelo menos, um "salvador" com altivez para solucionar os problemas. Parece mesmo que ainda não surgirá desta vez.

Nenhum comentário:

Postar um comentário