Páginas

sábado, 7 de maio de 2016

Appagesp se despede do sócio fundador Jair Tarozo


Empresário de Catanduva faleceu nesta sexta-feira (06), após mais de 40 anos de trabalho no setor de pátios e guinchos
 
Será sepultado na tarde deste sábado (07) em Catanduva (SP), às 16h30, no Cemitério Monsenhor Albino, o corpo do empresário Jair Tarozo, 69 anos. Empreendedor dedicado, ele foi sócio fundador da Appagesp (Associação de Proprietários de Depósitos de Veículos, Pátios e Guinchos do Estado de São Paulo), setor no qual trabalhou por mais de 40 anos.

A perda de Tarozo, para o presidente da associação, Lázaro Fernando de Carvalho, deixa uma grande lacuna no associativismo e na "família dos guincheiros" de todo o Brasil. Ele comenta o senso de responsabilidade de Seu Jair, como era respeitosamente chamado.

"Um homem de palavra, comprometido com o que falava e fazia. Ele tinha uma preocupação muito grande que não apenas ele tivesse sucesso, mas todos que trabalham com dignidade. Era, para nós, um diretor atuante e um grande conselheiro em todas as decisões", disse.

O empresário e vice-presidente da entidade, José Augusto Javara, também lamentou a perda para o empresariado. "Ele foi um exemplo de hombridade. Os valores que o seu Jair representa nunca vão morrer", disse.
VIDA E OBRA - A empresa Jair Tarozo LTDA EPP, mais conhecida como SOS Catanduva, está no mercado há mais de 40 anos e começou com um caminhão Ford F600, ano 68 (verde), do qual o próprio Jair era motorista. Ele tinha como base um posto de combustível próximo ao aeroporto na saída da cidade, ou seja, ainda não existia pátio.
Através de muito trabalho e dedicação, a empresa foi expandindo, contratando novos motoristas e comprando mais caminhões. Foi se solidificando, conquistando a confiança das polícias Militar e Civil, dos delegados e gestores do município.

Em entrevista recente à assessoria de imprensa da Appagesp, Jair contou que o atendimento já era feito 24 horas por dia, desde o início, mesmo com equipamentos precários e comunicação limitada. Na época, só havia telefone para recado.
Com a confiabilidade conquistada, foi feito mais um investimento: a aquisição de um terreno e construção de uma pequena sala para alocar a base e, consequentemente, o Pátio de Catanduva.
Algumas licitações foram feitas no decorrer deste período e a empresa SOS Catanduva venceu. Novos investimentos foram realizados e a empresa continuou a crescer e a manter sua respeitabilidade e confiabilidade, sempre com a administração correta e justa de seus proprietários, Jair e Carmem Tarozo.
"Acreditamos em nosso trabalho, ou melhor, amamos nosso trabalho. Temos pelo menos 20 famílias dependendo diretamente da empresa, fora os prestadores de serviços indiretos, como mecânicos, borracheiros e outros", dizia Jair.
O presidente da associação, em virtude da perda, pede aos associados que estejam unidos à família, manifestando o apoio mútuo que faz parte da cultura do associativismo. "A saudade certamente ficará. Mas desejamos, do fundo do nosso coração, que toda a família do senhor Jair sinta-se confortada e receba o respeito e carinho dos associados da Appagesp", disse Carvalho.

Nenhum comentário:

Postar um comentário