Páginas

sábado, 14 de janeiro de 2017

FOLHAGERAL

Encerrados

os encontros e festejos de passagem de ano, os "analistas" lá do botequim da vila retornam à atividade de observar e comentar os acontecimentos (especialmente políticos) em boas rodadas de conversas. Eles lembram que o novo prefeito Flá Prandi teve cinco meses (desde que foi escolhido como candidato único) para surpreender o eleitorado jalesense.

Além disso,

Flá Prandi contou (e ainda conta) com a força de um trator para realizar a campanha eleitoral e administrar o município, a coligação "União por Jales", composta por 13 (treze) partidos políticos. Essa forte coligação fez 80% do quadro de vereadores para 2017/2020.

Nessa condição

prá lá de boa, os eleitores (prós e contra), aguardavam de Flá uma pequena revolução modernizadora, começando pela escolha de assessores inovadores. "Mas ele surpreende todos com nomeações com o que os eleitores menos desejavam e desejam que é o continuísmo na política e na administração pública", dizem os "analistas" do botequim da vila

Falando

ainda sobre o prefeito Flá Prandi, parece que ele não sabia que as receitas municipais não seriam suficientes para cobrir as despesas normais neste início de ano. Ele, tal como outros novos prefeitos, vai ter que fazer uma boa faxina nas finanças para equilibrar receitas e despesas. Isso vai ser apenas aperitivo para aumentar a fome de trabalho.

Tiago Abra,

Macetão e Tiquinho se consideram veteranos perante os outros vereadores empossados em 01 de janeiro de 2017. Eles acreditam em condições de exercer maior liderança no Legislativo. Mas os três devem ir com calma. Os novatos de hoje são imprevisíveis.

Vejam bem

estes números. Macetão em 2008 teve 2.328 votos e em 2016 caiu para 664 votos. Tiquinho em 2012 teve 1.448 votos e em 2016 caiu para 865 votos. Sinais claros de que vão precisar mostrar bons serviços ao município, e não ao Executivo. Tiago Abra ficou melhor dos três, pois em 2012 teve 497 votos e em 2016 teve 647 votos. Não mostrou grande musculatura eleitoral, mas capacidade de reter eleitores.

O secretário

municipal de Esporte, Cultura e Turismo (SMECT) de Jales, Ademir Molina, fica no cargo até o vereador Nivaldo Batista de Oliveira (Tiquinho) indicar seu preferido. Na repartição do bolo político, a pasta do Esporte coube ao PSD. Pelo menos até o momento que rascunhávamos as últimas linhas desta coluna, tudo continuava tal qual começou o ano.

Entre os

13 (treze) partidos políticos da coligação "União por Jales", que apoiou a chapa única Flá Prandi (DEM) e Garça (PMDB) no pleito de 2016, alguns dirigentes se mostram insatisfeitos com alguma coisa. Se a coligação se desfizer, agora no começo dos trabalhos municipais, terá sido uma grande mentira ao povo do município.

Segundo

comentários, a demagogia já pode estar criando asas na administração municipal. O prefeito não precisa anunciar que o seu cafezinho no Paço Municipal é de sua expensas. Isso só será relevante se funcionalismo adotar ideias semelhantes de economia.

Foi publicada

no Diário Oficial do Estado, terça-feira (10), uma determinação do conselheiro Renato Martins Costa, do TCE-SP, da remessa de expediente à UR-11 Fernandópolis para subsidiar exame das contas de 2016 da Prefeitura de Jales, devendo abordar a inadimplência do Município de Jales com o FUNDEB (Fundo de Manutenção e Desenvolvimento da Educação Básica e de Valorização dos Profissionais da Educação).

O interessado

no assunto é o Conselho Estadual de Acompanhamento e Controle Social (CEACS), do Fundo de Manutenção e Desenvolvimento da Educação Básica e de Valorização dos Profissionais da Educação.

Fernandópolis

foi um dos 81 municípios do Estado que, na terça-feira (10), receberam novas ambulâncias para renovação da frota do Serviço de Atendimento Móvel de Urgência (SAMU 192). Teve parte dos R$ 234,8 milhões liberados pelo Estado para serviços que estavam funcionando sem contrapartida federal e R$ 539,6 milhões referentes a emendas parlamentares.

Na Argentina

a maioridade penal é de 16 anos e se estuda a possibilidade reduzir para 14 anos. Pode até ser um erro. Mas por aqui os menores de18 anos continuam sob o domínio do Estatuto da Criança e do Adolescente. Eles assaltam e furtam, como acontece em nossa cidade, são detidos e levados a Delegacias, mas voltam às ruas sem providências necessárias.

Na Rua 24,

entre as ruas 17 e 15, em área do Estádio Municipal, foi inaugurada uma Academia ao Ar Livre no governo de Nice Mistilides. Custou boa grana do bolso dos contribuintes, teve festa e presença de um Secretário de Estado. Até recapearam a rua. Pouco tempo depois, Nice não era mais prefeita, a Academia foi desativada os aparelhos retirados.

Alterações

na legislação eleitoral devem virar lei antes de outubro de 2017 para terem validade no próximo pleito. Os parlamentares buscam alternativas para reverter o quadro de crise política e insatisfação do eleitorado. O desafio é alcançar consensos sobre temas polêmicos. A reforma deve estar aprovada pela Câmara e pelo Senado até setembro deste ano.

Financiamento


de campanhas e sistema de votação fazem parte dos 15 tópicos da reforma política. Há outras questões importantes para ser decididas, como o fim da reeleição e do voto obrigatório, a coincidência de eleições, a duração dos mandatos, o estímulo à participação das mulheres na política e os mecanismos de democracia direta.

Nenhum comentário:

Postar um comentário