Páginas

sábado, 24 de dezembro de 2016

Esta semana

o prefeito Pedro Callado (PSDB) – a poucos dias de deixar o cargo –, esteve em emissoras de rádio para conceder entrevistas sobre sua gestão e política. Ele tomou posse em 17 de fevereiro de 2015, após o afastamento da prefeita Nice Mistilides (PTB), da qual era vice.

Falou
a respeito também com a imprensa escrita nesta quarta-feira (21) em seu gabinete ao conceder uma entrevista coletiva. E as emissoras marcaram presença.

Em uma
das entrevistas, falando sobre sua gestão de dois anos, o prefeito Pedro Callado afirmou que a prioridade de seu mandato foi pagar contas. Só ao Instituto Municipal de Previdência Social pagou uma dívida de R$ 7 milhões. Este é um fato grave, que compromete a classe política local. Em dois anos, a administração do município não teve prioridade.

O controle
de contas financeiras não é bicho de sete cabeças. Tem regras básicas simples que funcionam muito bem. Por exemplo, não se deve fazer ou rolar dívidas sem previsão de pagamento. Seria melhor se o prefeito Pedro Callado tivesse dito que a prioridade do seu mandato foi cortar desperdícios, reduzir custos e aumentar a eficiência da Prefeitura.

Dívidas que
costumam ser feitas ou roladas, sem previsão de pagamentos, crescem com os encargos e são transferidas para as administrações seguintes. Assim, Pedro Callado recebeu dívidas, pagou dívidas e fez dívidas. O futuro prefeito Flá Prandi (DEM) fará o mesmo.

Pedro Callado
também falou sobre o não repasse de verbas para entidades sociais, que estariam seis meses sem ver a cor do dinheiro, e só não o fez por falta de recursos financeiros. O desequilíbrio financeiro da Prefeitura foi ampliado pela crise econômica do país.

Na voz corrente,
a população jalesense se mostra muito decepcionada com as duas últimas gestões, Nice Mistilides (2013/2015) e Pedro Callado (2015/2016). De fato, estes dois períodos foram marcados por muita turbulência política e poucas realizações em favor do município.

Faltando 07
(sete) dias para a troca de governo, tem gente que diz amargamente que estas duas últimas gestões foram as piores dos últimos 20 anos. Essa gente foi que mais acreditou nas promessas excelentes, que não foram cumpridas.

Entre os
tucanos jalesenses, há o sentimento de que é necessária uma reformulação da política partidária local de 2017 em diante. Eles admitem que é preciso estar atentos a um processo de renovação em nível municipal. Diz um tucano: "Precisamos ter uma proposta política para agregar, não para ficarmos como água morna".

Na opinião
de outros, o PSDB – partido do prefeito Pedro Callado – aceitou passivamente a ingerência política nos seus destinos e agora está pagando um preço alto: o desgaste político. Vai ter que se afastar dos holofotes e se fortalecer com novos nomes e atitudes.

O vereador
eleito mais votado no último pleito, Vagner Selis (PRB), o popular "Pintinho", é candidatíssimo à presidência da Mesa Diretora da Câmara Municipal de Jales e tem recebido apoio dos novos vereadores. Poderá ter como adversário o atual presidente, Nivaldo Batista de Oliveira (Tiquinho). Pintinho, que terá o privilégio de empossar o prefeito eleito Flá Prandi e seu vice Garça, conta com bom número de simpatizantes.

Mas, entre
os políticos, a palavra dada pesa pouco. Que o diga o vereador Rivail Rodrigues (PSB), que em 2015 levou uma rasteira fenomenal, apesar de ter um documento assinado pelos vereadores, garantindo-lhe a vitória para presidência da Mesa Diretora. Pelo acordo de bastidores, era a vez de Júnior Rodrigues assumir a presidência. Confiou, mas dançou.

Nos anos
2013, 2014, 2015 e 2016, as posições de Jales no ranking Ambiental do Programa Município VerdeAzul (PMVA) foram desastrosas: 175ª, 157ª, 278ª e 403ª. Essas quedas de posições estariam relacionadas com os problemas dos resíduos sólidos que Jales está enfrentando nos últimos anos.

A futura
administração Flá/Garça, que assumirá a gestão pública em Jales, deverá tomar sérias providências a respeito sob pena de Jales ir parar na lanterna do ranking Ambiental do Programa do Município VerdeAzul (PMVA), o que seria até desastroso e vergonhoso.

Quem acreditou
que Flá Prandi não aproveitaria assessores da atual administração, se enganou redondamente. O buxixo no boteco da vila dá conta que Francisco Melfi, atual assessor da Comunicação/Administração, ficará na Administração. Hilário Pupim permanecerá na Agricultura e Abastecimento. E o prefeito Pedro Callado assumirá a Procuradoria Geral do Município (PGR).

O provedor
da Santa Casa de Jales, Júnior Ferreira, disse que a informação que o hospital tem uma dívida de R$ 4 milhões não procede. Segundo ele, os salários dos colaboradores estão em dia e os encargos sociais também.

O deputado
federal Fausto Pinato (PP) conseguiu liberação de recursos da ordem de R$ 718.360,00 para a Santa Casa de Fernandópolis. A emenda é de autoria dos ex-deputados João Dado (SD), eleito prefeito de Votuporanga, e Otoniel Lima (PRB). Tomara que o deputado Pinato, que tem laços de amizade por aqui, consiga liberar recursos para a Santa Casa de Jales.

Nesta
sexta-feira (23), o histórico de todas as visualizações de página do blog Folha Noroeste desde maio de 2010 atingiram a marca de 2.310.4861 acessos de todos os estados brasileiros e dezenas de países ao redor do Planeta.

Nenhum comentário:

Postar um comentário