Páginas

sábado, 31 de dezembro de 2016

A necessidade desconhece princípios

José Renato Nalini, Secretário estadual de Educação



Nada como a situação aflitiva para um choque de realidade. O Brasil legal parece desconhecer o Brasil real. Ouvi algumas vezes esta semana que o Brasil legal é um Paraíso e o Brasil real está mais para as últimas esferas daquele passeio de Dante na "Divina Comédia". Uma coisa é o mundo do "deve ser". Outro, bem diferente, é o mundo do "que é". Vivencia-se uma fantasia multicolorida, quando o cenário está mais para uma tragédia.

Estou falando na gravíssima crise econômico-financeira que lançou o Brasil num fosso profundo. A situação é bem pior do que aquela experimentada em 1929. A recuperação da Bolsa de NY foi muito mais rápida. Os economistas comparam as duas afirmando que os infortúnios econômicos podem ser desenhados em "V". Chega-se ao fundo e começa o retorno à superfície, símbolo da normalidade. Estes nossos dias só configuram um "U". Ainda estamos a transitar pelo fundo, cada vez mais fundo e não se vê sinal de retomada do crescimento. Fatos que não deveriam ocorrer em nada auxiliam o reforço da confiança e da esperança. Por isso é urgente uma superdose de bom senso, de prudência e de compreensão. Os cortes na carne já foram sentidos. Agora chegou a hora dos ossos.

Tudo o que se puder evitar em termos de dispêndio é bem-vindo. Não alimentar utopias. A alternativa seria o caos e, nesse panorama, todos perderiam. Principalmente os inocentes. Isto vale para todos os setores, mas é primordial para a administração pública em todos os níveis. O Estado cresceu demais e não conseguiu oferecer à população as promessas de um bem-estar que só existe no plano ideal e é irrealizável quando a indústria não produz, reduz seus quadros e chega a encerrar atividades. Mas é mais urgente para o Direito, instrumento de solução de problemas, não de institucionalização deles. A realidade não respeita os princípios, embora não desacredite deles. Estamos aprendendo isso, a duras penas. Que a lição nos propicie mudança de rumos e de cultura.

Nenhum comentário:

Postar um comentário