Páginas

sábado, 26 de novembro de 2016

Zanetoni questionou falta de iluminação pública na avenida Lourival de Souza

O vereador João Valeriano Zanetoni (PSB), foto, está solicitando ao prefeito Pedro Callado, através de requerimento aprovado na sessão ordinária de segunda-feira, 21 de novembro, informações se existe um projeto de iluminação pública elaborado e aprovado pela Elektro para ser implantado na avenida Lourival de Souza próximo a ponte do Córrego da Lagoa, entre os bairros jardim Alvorada, Cohab Arapuã e Cohab Dr. "Pedro Nogueira"

Segundo o vereador, a avenida Lourival de Souza, no trajeto citado, não há iluminação pública. "Esta avenida tem um fluxo intenso de pedestres, ciclistas e de veículos automotores, além de contar com uma ponte muito estreita sobre o córrego, situação que transforma o local em área de grande risco de acidentes e muito inseguro no período noturno", fez questão de alertar para o problema da falta de iluminação pública.

Na mesma sessão, o vereador demista Gilberto Alexandre de Moraes, solicitou informações ao prefeito Pedro Callado sobre a recuperação da marginal do córrego Tamboril, no jardim do Bosque, parcialmente destruída por uma erosão, que segundo o vereador, de forma progressiva, está tomando conta da Marginal.

Ele explicou que na confluência da via Marginal com a rua Dr. Ovídio Pinheiro, um poste da rede de energia elétrica já caiu devido ao problema e que, "um pouco mais adiante, a erosão também já tomou grande parte desta via e interditou o acesso aos lotes".

Foi aprovado por unanimidade na sessão ordinária, um requerimento dos vereadores indagando ao Chefe do Poder Executivo Pedro Callado sobre o débito de R$ 267.040,93 com o Fundo de Manutenção e Desenvolvimento da Educação Básica e de Valorização dos Profissionais da Educação – FUNDEB.

Segundo os vereadores, conforme a ficha de controle anexada ao ofício encaminhado à Câmara Municipal de Jales pelo Conselho Estadual de Acompanhamento e Controle Social do FUNDEB, os débitos contabilizados referiam-se somente até o mês de agosto de 2016, o que poderia apontar para a possibilidade do valor desta inadimplência, atualmente, ser superior ao valor informado.

O prefeito Callado deverá responder aos vereadores se já efetuou os pagamentos notificados pelo Conselho. Em caso negativo, deverá informar quais motivos levaram à não quitação e qual a previsão para que isto ocorra.

Nenhum comentário:

Postar um comentário