Páginas

sábado, 29 de outubro de 2016

Moda inclusiva: linguagem universal

*Linamara Rizzo


No dia 15 de outubro, durante a 8ª edição do Concurso Moda Inclusiva Internacional, nos surpreendemos com os 20 projetos finalistas que recebemos não só do Brasil, mas também de países como Japão, Argentina e Irã em um desfile em que as pessoas com deficiência são as protagonistas da passarela. O Estado de São Paulo é pioneiro nesse olhar ao realizar desde 2009 o Concurso com o propósito de estimular estudantes e profissionais do mundo todo a pensarem soluções de vestimentas que contemplem as diferenças.

Além de sensibilizar sobre autocuidado, autoestima, vestuário e influenciar novas tendências para o mercado, o concurso visa jogar luz para novas oportunidades de negócios pautadas pela responsabilidade social e, principalmente, pelos conceitos de acessibilidade e Desenho Universal, visando o desenvolvimento de produtos que possam atender de forma equânime a toda a diversidade humana.

A nova moda desperta na sociedade o olhar para o outro. Na década de 1980, ao dirigir o Centro de Reabilitação no Hospital das Clínicas da Faculdade de Medicina da Universidade de São Paulo, era clara a dificuldade que os pacientes com deficiência enfrentavam ao longo do processo de reabilitação, uma vez que as roupas disponíveis no mercado não eram funcionais.

Já nos anos 90, a inclusão da pessoa com deficiência no mercado de trabalho reforçava a necessidade deste público se empoderar de um vestuário compatível às atividades que iria exercer. Escolher o que irá vestir é algo corriqueiro, mas reflete como o indivíduo é e deseja ser percebido pelos outros.

Na chegada dos anos 2000, o conceito de moda inclusiva foi consolidado e mostra que alinhar conforto, funcionalidade e estilo é o caminho para atender uma sociedade preocupada com um cenário com impactos sociais e ambientais positivos. É na passarela do Concurso Moda Inclusiva que a moda se mostra uma linguagem universal que une os povos e democratiza a possibilidade de ocupação por todos dos espaços, públicos e privados.

*Linamara Rizzo Battistella é médica fisiatra, professora da Faculdade de Medicina da USP e secretária de Estado dos Direitos da Pessoa com Deficiência

Nenhum comentário:

Postar um comentário