Páginas

sábado, 20 de agosto de 2016

FOLHAGERAL

da redação

Na opinião

abalizada dos "analistas" políticos lá do botequim da vila, o eleitorado jalesense poderá surpreender nas eleições deste ano. Tendo que desconsiderar cinco nomes dos atuais vereadores, que não vão concorrer no pleito, muitos dos eleitores poderão dirigir a atenção para novos nomes, acabando por fazer uma renovação geral na vereança.

Outra questão
que eles consideram importante – na eleição do quadro de vereadores este ano – é a mudança de comportamento dos eleitores perante os políticos. Cada dia o povo está mais bem informados e mais críticos. Fica mais difícil cair no gosto geral da população.

Em especial,
no município de Jales, está complicado saber qual será o melhor discurso dos candidatos a vereadores, ao se confrontarem na disputa eleitoral. Os velhos marinheiros e os marujos de primeira viagem, no mar da política jalesense, vão ter que se esforçar para se mostrarem afastados das turbulências acontecidas nos últimos quatro anos.

O maior
perdedor nestas eleições é o Partido Verde (PV) do empresário Osvaldo Costa Júnior (Bixiga). Com um nome forte como de Clóvis Viola para representar bem a sigla, Bixiga optou pelo caminho politicamente errado ao tentar ser pré-vice sem consultar os companheiros, optando por não concorrer à prefeitura, fez coligação mas sem lançar um nome à vereança para manter viva a sigla.

Uma pena,
que o Partido Verde em Jales se mantenha fora da luz dos holofotes. Em todo mundo, a sigla tem um conjunto de ideias políticas, filosóficas e econômicas de grande interesse para a vida dos municípios. O PV em Jales precisa tomar providências a respeito.

O ex-prefeito
de Aspásia, Elias Roz Canos (PSDB), o "Lia do Bar", registrou sua candidatura a prefeito junto à Justiça Eleitoral. Recentemente, a Câmara Municipal de Aspásia por 7 x 2 aprovou o parecer do Tribunal de Contas do Estado (TCESP), desfavorável às contas do ex-prefeito Lia que está na Justiça tentando derrubar a aprovação do projeto de resolução por entender que a sessão deveria ser ordinária e não extraordinária.

De acordo
com decisão do Supremo Tribunal Federal (STF), que cabe às Câmaras de Vereadores dos municípios julgar as contas dos respectivos prefeitos, Lia do Bar pode estar enquadrado na lei da "Ficha Limpa" e ter seu registro rejeitado pela Justiça Eleitoral. Vamos aguardar o desfecho do caso.

Por maioria,
o Plenário do STF Supremo Tribunal Federal, em sessão desta quarta-feira (17), julgou inconstitucional a proibição por tatuagens a candidatos a cargos públicos, estabelecida em leis e editais de concurso público. Foi dado provimento ao Recurso Extraordinário (RE) 898450, com repercussão geral reconhecida, em que um candidato a soldado da Polícia Militar de São Paulo foi eliminado por ter tatuagem na perna.

Ficou decidido
desta forma: "Editais de concurso público não podem estabelecer restrição a pessoas com tatuagem, salvo situações excepcionais, em razão de conteúdo que viole valores constitucionais". Foi a tese de repercussão geral fixada, do relator ministro Luiz Fux.


As taguagens
estão na moda. Mas é bom entender que a decisão do STF não liberou geral. O conteúdo delas deve ser avaliado antes da decisão de realizá-las. Além disso, a juventude deve ficar atenta, porque a falta de limites e de bom gosto não atrai simpatias.

No pensar
dos "analistas" especializados lá do botequim da vila, os partidos apenas coligados na eleição proporcional estariam liberando seus eleitores quanto ao voto majoritário. Uma estratégia importante pode ser buscar o voto nominal no candidato a vereador.

Pelas bandas
do Paço Municipal, as coisas não andam alegres como antes das convenções partidárias. Os pássaros que voam naqueles ares informam que a romaria de puxa-sacos no Gabinete do Executivo caiu vertiginosamente. Isso não é nada bom.

Uma olhadinha
rápida, na relação de candidatos a vereador, aponta que – nada mais, nada menos – do que nove ex-vereadores postulam uma cadeira no Legislativo. Entre eles estão quatro antigos presidentes da Mesa Diretora da Câmara. Nada contra. Suas propostas de trabalho vão dizer se o movimento é conservador ou pela valorização da experiência.

Em Viradouro,
município da região de Ribeirão Preto, os eleitores também têm candidatura única. O atual prefeito se candidatou às pressas e foi eleito em 2012, em substituição ao pai que teve a candidatura cassada pela lei da Ficha Limpa. Agora, em 2016, ele poderá se reeleger apenas com o seu próprio voto, sem oposição. Uma política viciada.

Dentro
de mais alguns dias será iniciado o recape nas ruas esburacadas da cidade. O edital está sendo adequado às mudanças de ruas a receber o benefício.

Mais de
dez entidades assistenciais e filantrópicas de Jales foram beneficiadas com a renda da 29ª Festa do Motorista, realizada no final do mês passado, em parceria do Sindicato dos Motoristas de Jales e Região, Rotary Clube de Jales, Prefeitura Municipal, Paróquia da Catedral e as emissoras da Diocese de Jales.


A confraternização
do repasse dos recursos às entidades aconteceu na noite de quinta feira, 28 de agosto, na Casa da Amizade. Também foram agraciados com honrarias os colaboradores, patrocinadores e participantes do evento.

Nenhum comentário:

Postar um comentário