Páginas

sábado, 23 de julho de 2016

Reflexões: Os bens exteriores

Adelvair Davidwww.addavid.blogspot.com

Não podendo perpetuar-se pelo que é interiormente, tenta o homem perpetuar-se pelo que tem em bens exteriores.

Pondera o espírito Emmanuel, mentor de Chico Xavier: "A eternidade confere reduzida importância aos bens exteriores".

Os homens mais lembrados da humanidade não tinham propriamente de seus quase nada. Não quer dizer que o valor amoedado não possui sua significação neste mundo, aliás, é fonte de progresso e crescimento para a humanidade, grande contributo para a ciência quando bem empregado. Constitui missão para alguns, quando conseguem promover o trabalho àqueles que dele precisam para sobreviver, e provação para outros, como proposta de empregar hoje, com discernimento, desprendimento e sem egoísmo os mesmos recursos que lhes fizeram perder no passado.

Seja como for, os bens exteriores são para o homem apenas caminho para a conquista do bem maior, que é o desenvolvimento da inteligência e da moral em si mesmo. Não pode ele esperar que a conquista do céu na alma, como asseverou Jesus, lhe chegue através da forma mística como lida com a sua fé e com os seus sentimentos. É notório que tudo bem de Deus, mas esses bens do alto chegam ao homem através das suas realizações aqui na terra, da labuta de cada dia com aquilo que lhe é depositado nas mãos pelo criador.

Quanto mais valor der àqueles que lhe servem, menos tentado ficará a explorá-los, mas terá como entendimento ser o mais justo possível. Quando se paga alguém pelo trabalho que realizou, o valor combinado, não se faz mais do que cumprir o dever, quando não se paga o valor acertado, descumpre-se o dever, mas o verdadeiro mérito está, em sendo possível, ir além do combinado e em gratidão ofertar algo mais, enchendo de alegria a alma que o serviu. Quem assim procede guarda tesouros no céu do seu coração, que lhe será revertido em bênçãos de paz, conforto e esperança nos momentos difíceis, nunca lhe faltando mão amiga e um coração para repousar o sentimento ante o cansaço dos muitos embates da vida.

Ensinou Jesus: "Tratai de Juntar tesouros no céu", quer dizer no coração, para que onde estiver, aqui ou no mundo espiritual, o espírito experimente o valor do seu bom tesouro.

O BEM DE FORA DEVE CONDUZIR AO BEM DE DENTRO.
 

Nenhum comentário:

Postar um comentário