Páginas

sábado, 4 de junho de 2016

A Sociedade Humana

*Flávio Carvalho

 
A sociedade humana é o meio que a família surge e se desenvolve.

O homem em sua evolução biológica criou um mundo próprio, o mundo dos objetos, dos produtos de sua mão e de seu pensamento.

Sociedade não é só de pessoas, mas também de coisas produzidas pelo trabalho de seres pensantes. O mundo cultural não é criação autônoma do espírito ou da consciência, e sim da produção de bens.

E com a produção de bens surgem os problemas, pois o homem enxerga que o acúmulo de bens está o seu poder, ou seja, quanto mais tiver, maior será o seu poder.

E a culpa é toda nossa, pois valorizamos mais quem tem muito, ou seja, é mais importante ter do que ser. Somos materialistas, não nos importamos com a bondade, a caridade, respeito, a honestidade, importamos sim com o acúmulo de bens.

Mas por outro lado, se não houvesse produção de bens, a sociedade humana seria semelhante à dos animais irracionais, é onde o homem se destaca.

A sociedade é complexa, é constituída de pessoas e coisas, e necessita de ordenação, onde estamos falhando muito. As leis e a ordem já não conseguem mais frear o desordenamento da nossa sociedade, ou seja, estamos perdendo o "rumo".

O homem é consciência e vontade, e ele é o centro de elaboração, de ligação e articulação das relações sociais. E estamos nos relacionando com os outros muito mal, estamos nos maltratando demais. O homem desenvolveu uma enorme habilidade em mal tratar o semelhante.

Os homens não podem produzir sem associar-se, sem criar vínculos.

Quem pensa e age, não é o homem em si, mas o homem real, concreto, o homem não sabe o que é bom ou mau, é a vida social, o relacionamento social, a sociedade que determina.

Um pensamento é muito menos nosso do que imaginamos. O pensamento é um produto social, assim como a linguagem.

A sociedade nos faz pensar, nos induz, ordena nosso inconsciente coletivo. Somos sugestionados a todo instante. A sociedade comanda nossas vidas, e como a sociedade está doente, estamos doentes também.

Perdemos a noção do que é status, que é a posição especifica do indivíduo resultante da totalidade do seu relacionamento no corpo social. Status é constituído pelo exercício de direitos e deveres, ou pelo menos deveria ser, mas status é possuir bens, é ser rico.

Toda vida em sociedade representa um compromisso entre as necessidades do indivíduo e as necessidades do grupo. Mas pouco nos importamos com o coletivo, somos individualistas, e estamos preocupados somente com nosso status, queremos ser aceitos pela sociedade através do acumulo de bens, ou seja, da riqueza material, E seguindo este caminho, nos empobrecemos espiritualmente.

Instituição é o entrelaçamento de práticas sociais articuladas em duradouro complexo de relações, costumes, sentimentos e através do qual se exercem controles sociais e se satisfazem necessidades e desejos das pessoas conviventes.

Precisamos repensar nossas instituições, como a Família e o Estado das duas. Se não mudarmos a família e o Estado, continuaremos doentes, e doentes serão também nossos herdeiros. Este será nosso legado para as futuras gerações. Uma família doente, e um Estado que não consegue cura La, pelo contrario a faz ficar doente cada vez mais.

Qual seria o remédio para curar esta doença? Muitos acreditam não existir tal medicamento. Mas a resposta está em promovermos uma mudança interior, ou seja, fazermos uma viagem para dentro de nossa alma, e transformar todos os nossos sentimentos, conceitos, valores. Promover uma reforma íntima. E para curar o Estado, depois que fizermos uma reforma íntima, devemos aprender a votar.

*Flávio Rodrigo Masson carvalhoequilibriumtc@hotmail.com

Nenhum comentário:

Postar um comentário