Páginas

terça-feira, 9 de maio de 2017

APM Fernandópolis recebe palestra de Guido Palomba

Em 19 de maio, a partir das 19h, a Associação Paulista de Medicina Regional Fernandópolis será palco da palestra História da Loucura, da Antiguidade aos Dias Atuais, ministrada pelo dr. Guido Arturo Palomba (foto), psiquiatra forense referência na área e diretor cultural da APM. O evento faz parte de uma série de atividades iniciadas em 2015, que já visitou as regionais Santos, Taubaté, Americana, Ourinhos e, em breve, estará em outras regiões paulistas.
 
Por meio de um bate papo, a palestra, além de seus aspectos históricos, pretende chamar a atenção para a situação do atendimento psiquiátrico no país levando esclarecimentos à comunidade médica local. Servirá ainda de alerta aos participantes sobre o novo hábito de incentivar a ingestão de remédios psiquiátricos sem critérios bem estabelecidos.
 
“Abordaremos desde os primeiros momentos, na antiguidade, em que o homem dito normal se deparou com o doente mental, chamando a loucura de possessão demoníaca, até a mudança de conceito e o desenvolvimento da psiquiatria nos dias atuais. Discorrerei, ainda, sobre loucura e crime, minha área de atuação, e a visão do tema na sociedade em que vivemos”, explica dr. Guido.
 
Na opinião do palestrante, a psiquiatria enfrenta uma nítida decadência. “Embora bem desenvolvida nos séculos 19 e 20, ao entrar no século 21 sofreu um ataque violento de marketing, visando o aumento da venda de psicofármacos. Com o alargamento do diagnóstico e a consequente prescrição indiscriminada, posso dizer com segurança que os psicotrópicos são mais vendidos do que pomadas para assadura infantil”, alerta.
 
A ideia é levar essas informações a um público abrangente, segundo dr. Guido. A palestra é voltada aos médicos associados da APM, representantes de entidades médicas, alunos das faculdades médicas da região, além de pessoas ligadas ao Direito, como juízes, promotores, advogados e delegados de polícia, uma vez que o palestrante é especializado em psiquiatria forense.

Nenhum comentário:

Postar um comentário