Páginas

sábado, 3 de dezembro de 2016

Papo de Mãe conversa com famílias refugiadas

Ao contrário do que possa parecer, refugiados não são fugitivos ou foragidos da justiça, nem estão no Brasil de forma ilegal. Segundo o Ministério da Justiça, o refúgio pode ser solicitado por qualquer estrangeiro que possua fundado temor de perseguição por motivos de raça, religião, opinião pública, nacionalidade ou por pertencer a grupo social específico, e também por aqueles que tenham sido obrigados a deixar seu país de origem devido a uma grave e generalizada violação de direitos humanos.

De acordo com dados do Comitê Nacional para os Refugiados (Conare), o Brasil acolhe hoje quase oito mil pessoas de mais de 80 nacionalidades. São pais, filhos, famílias inteiras da Colômbia, da Síria, da Costa do Marfim e de muitas outras partes do mundo. Mas quem são essas pessoas, que motivos as levaram a deixar o país de origem e como vivem aqui ainda são questões a serem exploradas.

Por isso, o Papo de Mãe apresenta as histórias de Janey, Anne, Astu e Ghazal, mulheres e mães refugiadas que vieram ao Brasil em busca de uma vida melhor.

Para conversar com elas e com as apresentadoras, participam os especialistas Larissa Leite, coordenadora de Relações Externas da Cáritas Brasileira; o padre Paolo Parise, coordenador da Missão Paz da Casa do Migrante; e Ana Cláudia Madaleno, diretora de Relações Institucionais do Instituto de Reintegração do Refugiado.

Ainda no programa, uma reportagem de Fernanda de Luca acompanha a rotina desses refugiados no País. Já Letícia Bragaglia conversa com o povo pelas ruas de São Paulo, mostrando o depoimento emocionante de um pai que ainda não conseguiu trazer a família para o Brasil.

Nenhum comentário:

Postar um comentário